Divulgação
Divulgação

Nextel paga R$ 455 milhões por 4G em São Paulo

Lote era o mais valioso do leilão e teve a empresa como única proponente na disputa pela faixa; Telefônica Vivo foi a segunda a gastar mais

Eduardo Rodrigues, O Estado de S.Paulo

18 Dezembro 2015 | 10h18

BRASÍLIA - A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) encerrou o primeiro dia do leilão de sobras de radiofrequências com uma arrecadação de R$ 762,6 milhões, com a venda de 41 dos principais lotes oferecidos.

Como esperado pelo mercado, a Nextel arrematou a faixa de 1,8 gigahertz (GHz) para oferecer o serviço 4G na Região Metropolitana de São Paulo (DDD 11), por R$ 455 milhões. Esse era o lote mais valioso e teve a empresa como única proponente na disputa pela faixa que era utilizada pela extinta Unicel na capital paulista.

A Telefônica Vivo foi a segunda empresa a gastar mais no leilão, desembolsando um total de R$ 185,450 milhões com a compra de sete lotes na faixa de 2,5 GHz para ampliar a oferta de 4G em localidades importantes como as regiões metropolitanas de São Paulo e do Rio de Janeiro, além de Florianópolis e Porto Alegre. A empresa também comprou lotes em Tocantins e Mato Grosso do Sul.

Já a Claro adquiriu 19 lotes de 2,5 GHz que, somados, totalizaram R$ 61,959 milhões em licenças. A companhia arrematou lotes no interior dos Estados de São Paulo e do Rio de Janeiro, além de faixas no Espírito Santo, Rio Grande do Sul, Acre, Alagoas, Rio Grande do Norte, Paraíba, Piauí, Pernambuco e Ceará.

A TIM levou os lotes de 2,5 GHz das regiões metropolitanas de Recife e Curitiba, por R$ 56,5 milhões. A Sercomtel precisou desembolsar apenas R$ 241 mil para ampliar a oferta de 4G em dois lotes na sua área de concessão, no interior do Paraná.

A TPA Telecomunicações levou três lotes de 2,5 GHz para oferta de banda larga em cidades do interior de Santa Catarina por R$ 2,455 milhões, enquanto a Ligue Telecomunicações adquiriu seis lotes de 2,5 GHz no interior dos Estados de Minas Gerais e Paraná por um total de R$ 1,045 milhão. E a Clivo Participações arrematou apenas um lote no interior de São Paulo, por 120 mil.

2º dia. O leilão de sobras de radiofrequências da Anatel continua hoje com a abertura das propostas dos milhares de lotes municipais de 2,5 GHz voltados para pequenos provedores. A média de preço desses lotes menores é de cerca de R$ 10 mil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.