finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Nildo Masini vê "excesso de euforia"

O vice-presidente da Fiesp, Nildo Masini, disse estar preocupado com o que ele chama de "excesso de euforia" em relação ao crescimento da economia brasileira no primeiro semestre deste ano. "Nós não podemos nos esquecer de que os dados do crescimento deste ano estão em cima de um crescimento do ano passado de 0,4%, no primeiro semestre, e um crescimento negativo de 0,8% no segundo semestre", recordou o representante industrial. "A preocupação é que com essa conversa, no meu entender exagerada de que o PIB está crescendo acima da expectativa, vai acabar remetendo para o Copom e o Copom vai acabar aumentando a taxa de juros, o que é absolutamente inadequado."Risco de desabastecimentoNildo Masini garantiu que a indústria não terá problemas para abastecer a demanda interna. Segundo ele, o crescimento do consumo das famílias está concentrado no último trimestre (cerca de 5% sobre o primeiro trimestre). "A não ser por algum setor que possa ter um consumo acima da expectativa, em função da sazonalidade, e fruto disso possa ter eventualmente um gargalo", ressalvou Masini em entrevista ao programa Conta Corrente, da Globonews. Mas, na economia como um todo, nós não temos a menor preocupação com referência a esse crescimento e não temos nenhuma preocupação com referência a um excesso de demanda que possa gerar um índice inflacionário maior.""Stop and go" O vice-presidente da Fiesp afirmou que os industriais têm retomado os investimentos, embora ainda demonstrem medo de que a fase de crescimento não seja duradoura. "Há uma retomada de investimentos com precaução", ponderou Masini. "Existem alguns gargalos que nos preocupam, como em relação à parte logística das exportações, e nós temos necessidade de aprovar rapidamente esse PPP para que se possa ter investimentos na área de energia elétrica", explicou. "Porque a preocupação que o empresário industrial tem é de que eventualmente a gente novamente num `stop and go´."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.