carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Nissan abre primeira fábrica própria no Brasil e quer 5% do mercado

Investimento foi de R$ 2,6 bilhões; inauguração ocorre em um momento menos favorável para o mercado brasileiro de veículos

Reuters

15 de abril de 2014 | 18h11

RIO DE JANEIRO - A montadora japonesa de veículos Nissan inaugurou sua primeira fábrica própria no Brasil nesta terça-feira, concluindo investimentos de R$ 2,6 bilhões, em um momento em que o mercado brasileiro enfrenta queda nas vendas e tombo nas exportações.

Até a inauguração da fábrica, voltada a modelos compactos, a Nissan operava no Brasil via importação de carros do México, que teve volume limitado após revisão do acordo automotivo do país com o Brasil.

Na época do anúncio da construção da fábrica, as vendas de veículos no Brasil cresciam acima de 10% ao ano, ante expectativa do setor de expansão de 1% em 2014.

"Esse complexo industrial comprova o compromisso da Nissan com o Brasil", afirmou o presidente da aliança Renault-Nissan, Carlos Ghosn. "Reconhecemos a importância do mercado automotivo brasileiro. Existem aqui 175 carros para cada mil habitantes; pouco em relação aos Estados Unidos e a Europa, onde a relação é 3 vezes maior", disse Ghosn.

A capacidade da fábrica, instalada na cidade de Rezende, no Rio de Janeiro, é de 200 mil veículos e motores por ano. A Nissan tem meta de alcançar 5% de participação no mercado brasileiro. Em 2013, a companhia encerrou com fatia de 2,18% no segmento de carros e comerciais leves, na nona posição entre as maiores montadoras do país.

A inaguração da unidade aconteceu horas antes de representantes do setor automotivo se reunirem com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, para tratar de conjuntura do mercado brasileiro de veículos e sobre a queda de exportações do país para a Argentina.

No primeiro trimestre, as vendas de veículos novos no Brasil caíram 2,1%, a produção despencou 8,4% e as exportações em valores tombaram 15%. Os estoques, enquanto isso, cresceram 11%.

Tudo o que sabemos sobre:
nissan

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.