Nissan/Divulgação
Nissan/Divulgação

coluna

Thiago de Aragão: investidor estrangeiro vê como irreal promessa de Guedes de 4 privatizações em 90 dias

Nissan adia retomada da produção por mais um mês

Montadora previa retomar atividades na fábrica de Resende na segunda-feira, mas decidiu voltar a operar apenas em 22 de junho

Cleide Silva, O Estado de S.Paulo

20 de maio de 2020 | 19h33

A Nissan decidiu prolongar a parada da produção em sua fábrica em Resende (RJ) por mais 30 dias. A volta estava prevista para a próxima segunda-feira, mas a empresa informou na tarde de quarta-feira, 20, que as atividades só devem ser retomadas em 22 de junho.

A montadora informa que a medida tem como objetivo assegurar a saúde e o bem-estar de seus colaboradores, fornecedores, suas famílias e a sociedade em geral, além de também refletir a situação dos estoques à nova realidade do mercado automotivo em decorrência da pandemia da covid-19 no País.

Os funcionários da área de produção vão continuar seguindo o modelo de suspensão temporária do contrato de trabalho, e os administrativos seguem com redução proporcional da jornada de trabalho e salários, ambas previstas no Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda, criado pelo governo federal pela MP 936.

Com isso, as três fabricantes de origem japonesa, Honda, Nissan e Toyota, além da Ford, da PSA Peugeot Citroën e da Jaguar Land Rover só vão reabrir suas fábricas no Brasil no próximo mês.

Outras fabricantes ainda devem retomar a produção neste mês, como a Volkswagen. A empresa voltou a operar parcialmente a fábrica de São José dos Pinhais (PR) na segunda-feira e prevê a reabertura das unidades de São Bernardo do Campo, Taubaté e São Carlos no fim do mês.

Estoques elevados

A General Motors reabriu as portas da planta de São Caetano do Sul na segunda-feira, mas não informa quando fará isso nas fábricas de Gravataí (RS), Joinville (SC), São José dos Campos e Mogi das Cruzes (SP). As demais fabricantes já estão em operação, a maioria de forma parcial, com jornadas reduzidas.

O setor iniciou maio com estoques de 237 mil veículos, equivalentes a quatro meses de vendas de acordo com a média diária dos negócios em abril. No mês passado, as vendas de veículos novos somaram 55,7 mil unidades, número 76% inferior ao de um ano atrás.

No acumulado do ano, foram vendidos 613,8 mil veículos, 27% abaixo do resultado de 2019. Dados preliminares indicam uma melhora nas vendas diárias na primeira quinzena deste mês.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.