Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Nissan é alvo de protesto

Empresas demitem funcionários na Europa e nos EUA

Agências Internacionais, O Estadao de S.Paulo

12 de novembro de 2008 | 00h00

Terminou em violência uma manifestação de mais de mil trabalhadores da montadora japonesa Nissan, que na segunda-feira aprovou um plano de 1.680 demissões. Os manifestantes bloquearam, durante uma hora, a Gran Via de Barcelona, uma das principais avenidas da cidade. Ao chegar à sede da Nissan, muitos começaram a jogar ovos, pedras e outros objetos contra a fachada do prédio de escritórios da montadora.Só ontem três grandes companhias anunciaram 5.200 demissões. Além da Nissan, a Nokia Siemens cortou 1.250 postos de trabalho na Finlândia e na Alemanha. No Reino Unido, a Virgin Midia, divisão de telecomunicações do grupo de Richard Branson, anunciou um plano de reestruturação que resultará em 2.200 demissões até 2012, a maior parte antes do fim de 2010. Os números se somam aos da empresa de transporte de cargas DHL, que na segunda-feira anunciou a demissão de 9.500 funcionários. As demissões vão começar em janeiro, quando a empresa encerrará o serviço de entrega de cargas expressas dentro dos Estados Unidos. Só nos Estados Unidos, a conta das demissões desde o início do ano está em 1,2 milhão, de acordo como Departamento de Emprego. Em outubro foram 240 mil demissões, elevando a taxa de desemprego no país para 6,5%. Desta vez, a crise econômica atingiu em cheio o varejo, setor que, tradicionalmente, é um dos últimos redutos de emprego em tempos de crise aguda. O varejo empresa um em cada dez americanos. Nos últimos 12 meses, porém, 25% das demissões ocorreram justamente nesse setor.Pelo menos 14 redes de varejo entraram em concordata neste ano. A última foi a Circuit City, na segunda-feira. Na semana passada, essa rede havia anunciado a demissão de 6.800 trabalhadores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.