Juros

E-Investidor: Esperado, novo corte da Selic deve acelerar troca da renda fixa por variável

Nissan terá novo presidente no Brasil

Executivo comandará processo de abertura da nova fábrica do grupo no Rio de Janeiro

CLEIDE SILVA, O Estado de S.Paulo

01 de novembro de 2012 | 02h07

A Nissan do Brasil deve anunciar, até o fim do ano, o substituto de Christian Meunier, que terá como principal tarefa conduzir a abertura da fábrica que o grupo constrói em Resende (RJ), com inauguração prevista para início de 2014, e de manter a trajetória de crescimento da marca.

No comando da filial brasileira há dois anos e meio, o francês Meunier deixará o cargo em janeiro para assumir as operações do grupo no Canadá. Nesse período, a participação da Nissan no mercado brasileiro passou de 0,8% para 3,2%, com um crescimento de vendas de 23.141 unidades em 2009 para 84.613 neste ano.

Esse ritmo de crescimento deve diminuir, conforme admite o diretor-geral da Nissan, François Alain, em razão da falta de produtos da marca, especialmente o compacto March, que disputa mercado com populares nacionais como Gol e Palio.

Lançado em setembro de 2011, o March é produzido no México e, até recentemente, era trazido com isenção de Imposto de Importação, cuja alíquota é de 35%. Além desse modelo, a Nissan traz daquele país o Versa, o Tiida e o Sentra.

Os quatro modelos mexicanos respondem por 70% das vendas da marca. Outros três produtos, o Livina, o Grand Livina e a picape Frontier, são produzidos no Paraná, na fábrica conjunta que o grupo japonês tem com a francesa Renault.

Com o estabelecimento de cotas de importação determinadas pelo acordo automotivo entre Brasil e México, a Nissan rapidamente atingiu seu limite de 35 mil unidades, e, nos últimos dois meses, interrompeu as encomendas, só retomadas a partir deste mês, mas com o recolhimento da alíquota de importação.

March mais caro. Nas próximas duas semanas, o March volta às concessionárias, mas R$ 1,1 mil mais caro. Seu preço agora parte de R$ 26.060, ante R$ 24.990 anteriormente. Ainda assim, Alain informa que a empresa vai sacrificar margem de lucro. "Estamos num mundo competitivo mas, como nosso projeto no Brasil é de longo prazo, vamos ter de conviver com isso nos próximos 18 meses."

O prazo é o período previsto até a inauguração da fábrica fluminense, que iniciará operações com a produção do March. A capacidade da fábrica, que custará R$ 2,6 bilhões, será de 200 mil veículos ao ano. "Vamos iniciar com 80% dessa capacidade", prevê Alain.

De acordo com o executivo, a unidade encerrará 2013 com quatro modelos em produção. "Vamos lançar um novo produto a cada três meses", diz. Além do March, a fábrica fará o sedã Versa e o utilitário-esportivo Extrem - à mostra no Salão do Automóvel de São Paulo como conceito. O quarto modelo ainda está em estudos.

A partir de março de 2013, a Nissan terá direito a nova cota de 38 mil veículos e, em 2014, de 41 mil. Mas, com a nova fábrica, não estará mais tão dependente dos modelos mexicanos.

Ainda neste mês, o presidente mundial da Nissan/Renault, o brasileiro Carlos Ghosn, vem ao Brasil para falar dos planos da marca no País.

A empresa, a primeira a se habilitar no novo regime automotivo, também terá o direto de importar veículos sem o aumento de 30 pontos porcentuais do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). "Poderemos trazer 6,6 mil veículos ao mês sem o IPI maior", afirma Alain.

Com mais flexibilidade, a montadora também já anunciou que trará dos Estados Unidos, a partir do próximo ano, o Altima, sedã mais vendido pela marca no mercado americano.

Novo cargo. Além de anunciar a saída de Meunier, a Nissan informou ontem ter criado um novo cargo no País, o de vice-presidente de vendas e marketing, que será ocupado por Manuel de La Guardia, atual diretor-geral da Nissan Ibéria.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.