Nível de emprego no setor têxtil é o melhor em dez anos

O saldo de empregos no setor têxtil fechou o primeiro semestre do ano positivo em 37.848 vagas, melhor resultado dos últimos dez anos, informou o presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil (Abit), Paulo Skaf.O desempenho foi puxado sobretudo pelas exportações, que registraram um aumento de 35% até julho, na comparação com os sete primeiros meses do ano passado, para US$ 1,052 bilhão. No período, o saldo comercial ficou positivo em US$ 228,5 milhões contra US$ 193,9 milhões de janeiro a junho do ano passado. Segundo Skaf, também foi possível verificar alguma reação do mercado interno. O faturamento total da indústria no primeiro semestre foi de 7%, com destaque para as vendas de roupas de inverno, acima das projeções iniciais. "O inverno deste ano está fazendo a diferença", disse o empresário. PerspectivasPara o ano, as expectativas para o setor têxtil se mantêm positivas. A projeção mais conservadora indica que no ano serão criadas 50 mil novas vagas. No que se refere às vendas domésticas, a projeção é de alta de 8% sobre 2003, chegando a US$ 25 bilhões. O crescimento estimado das exportações neste ano é de 25% sobre 2003, para US$ 2,1 bilhões, com importações da ordem de US$ 1,3 bilhão, com saldo de US$ 800 milhões. O setor opera com cerca de 90% de utilização da capacidade instalada, mas já no primeiro semestre realizou investimentos da ordem de US$ 300 milhões em máquinas e equipamentos para ampliar a produção. O empresário ressaltou, no entanto, que os números não são suficientes para garantir um crescimento sustentado. "Ainda não estamos tranqüilos. Por enquanto, é impossível falar em sustentabilidade com amarras como juros altos, carga tributária elevada e crédito escasso", afirmou o empresário.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.