Nível de endividados atinge maior índice desde dezembro de 2004

Levantamento divulgado nesta quinta-feira pela Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomercio) apontou que o nível de consumidores endividados, na Região Metropolitana de São Paulo, atingiu 67%, o que representou crescimento expressivo em relação ao índice apurado em julho (de 57%). Segundo a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência (Peic) da entidade, é o maior índice registrado desde dezembro de 2004, quando os consumidores com algum tipo de dívida representavam 70%, num mês tradicional para o comércio varejista com os melhores desempenhos do ano.Para a Fecomercio, o resultado de agosto reflete o crescimento do volume de crédito disponível ao consumo, especialmente de bens duráveis. A entidade lembra que informações do Banco Central de junho apontaram crescimento de 2,1% do volume do crédito destinado à pessoa física. No entanto, destaca que esta expansão não tem sido acompanhada por crescimento suficiente da renda."Daí a expectativa de continuidade da tendência de o consumidor contrair dívida, ainda que tenha havido aumento da intenção de eliminar essas dívidas e redução dos níveis de inadimplência e de comprometimento da renda mensal com endividamento", justificou a federação.InadimplênciaApesar do aumento dos endividados, a Fecomercio destacou que a Peic apurou queda na inadimplência desta categoria de clientes e aumento da confiança de que eles conseguirão quitar estes compromissos. O número de endividados, com contas em atraso, registrou retração em relação ao mês anterior, passando de 49% para 46% em agosto. De acordo com a entidade, essa queda reflete o aumento do uso do crédito consignado (com desconto em folha de pagamento), que já é utilizado por 32% dos endividados, conforme captou a Peic.Na análise da federação comercial, a maior obtenção desta modalidade de crédito explica "parcialmente" o fato de o comprometimento da renda dos entrevistados com as dívidas também ter caído, de 37% para 34% em agosto, segundo a Peic. "Além disso, há que se considerar ainda que a renegociação de dívidas contribui para a formação de prestações de menor valor, reduzindo o volume de renda comprometido mensalmente", observou a entidade.De acordo com o levantamento, mais consumidores acreditam que conseguirão quitar suas contas em atraso (68% em julho ante 73% em agosto). Ao mesmo tempo, houve queda na parcela daqueles que acreditam que não terão condições de saldar seus débitos, de 28% para 25% neste mês. A Peic é realizada desde fevereiro de 2004 e é coletada mensalmente junto a cerca de mil consumidores da Região Metropolitana de São Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.