bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Nível dos reservatórios chega a 69,35% no Sudeste

O Brasil encerrou o período "molhado" com relativa folga de água nos reservatórios, que pode garantir tranqüilidade no fornecimento de energia elétrica pelos próximos dois anos. Segundo dados do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), empresa que administra o fornecimento de energia no país, os reservatórios da região Sudeste estavam em torno de 69,35% de sua capacidade máxima no final de abril, o que é mais do que o dobro do registrado no ano passado. Em abril de 2001, os reservatórios da região Sudeste estavam com apenas 32,18% de sua capacidade, o menor nível dos últimos anos. Os técnicos do ONS sempre apontam que acumulação de água na região Sudeste é vital para garantir o abastecimento normal de energia, já que a região corresponde a cerca de 60% do consumo nacional. A previsão do ONS é que a água desses reservatórios caia para 65,58% da capacidade de armazenamento, o que seria suficiente para garantir tranqüilidade ao abastecimento de energia. A região Sul encerrou abril com 60,4% de ocupação dos reservatórios, e a ONS prevê nova recuperação nesse mês de maio, elevando a ocupação para 74,52% da capacidade total. Mesmo na região nordeste, onde o nível de ocupação caiu para apenas 7,84% no final de novembro, a situação está tranqüila: a região encerrou abril com 65,68% da capacidade, um nível que há muitos anos não se observava na região. A previsão é que em maio o nível caia para 63,04%, muito superior aos 27,29% registrados em maio de 2001, antes do início do racionamento de energia. A região norte, que há muitos anos não tem problemas de abastecimento, encerrou abril com 78,55% de ocupação dos reservatórios, nível que deve cair para 73,87% no final de maio, praticamente igual aos 75,87% observados em maio de 2001.ConsumoO consumo de energia elétrica no país caiu 5,30% em abril deste ano em relação ao mesmo mês do ano passado. O consumo médio do Sistema Integrado Nacional (SIN) no mês passado foi de 40,6 mil MWh médios, apesar de abril ter sido particularmente quente na região Sudeste. Em abril de 2001 o consumo ficou em 42,887 mil MWh médios. O consumo do mês passado é inferior até mesmo ao vigente há dois anos, em abril de 2000 (40,635 mil MWh), demonstrando que, mesmo com o fim do racionamento, o Brasil não voltou a consumir energia elétrica nos mesmos níveis observados antes do racionamento. Na avaliação de técnicos do setor, o País conseguiu uma "economia permanente", que tende a perdurar mesmo sem o racionamento. A maior queda foi na região Nordeste, que só consumiu 5.547 MWh médios no mês passado, o que representa redução de 7,10% em relação a abril de 2001. O consumo do nordeste recuou cerca de cinco anos, voltando aos níveis vigentes em 1997. No sudeste/Centro-Oeste, a queda foi de 6,74% em abril deste ano em relação a abril do ano passado. O consumo na região recuou três anos, voltando aos níveis de 1999. A região Sul, que não teve racionamento em 2001, registrou aumento de 1,34% no consumo de abril deste ano em relação a abril do ano passado e de 7,69% no período de dois anos. A média de consumo de abril ficou em 7.291 MWh. O consumo da região Norte ficou em 2.426 MWh médio em abril deste ano, recuando 4, 57% em relação a abril de 2001.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.