Nível dos reservatórios do subsistema Sudeste/Centro-Oeste cai para 35,4%

Armazenagem está 0,1 ponto porcentual abaixo do registrado no dia anterior

Wellington Bahnemann, da Agência Estado,

18 de fevereiro de 2014 | 19h56

RIO - As chuvas dos últimos dias não foram suficientes para recuperar o nível dos reservatórios do subsistema Sudeste/Centro-Oeste, o mais importante do País, mas os dados do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) mostram uma desaceleração no ritmo de esvaziamento. Nesta terça-feira, 18, os reservatórios das duas regiões fecharam em 35,4% da capacidade, 0,1 ponto porcentual abaixo do registrado no dia anterior.

No histórico de dados do órgão, não há informações sobre dias específicos de anos anteriores. Entre os meses janeiro e fevereiro de 2001, contudo, o nível dos reservatórios variou entre 31,41% e 33,45%.

A situação, contudo, é bastante grave. Há um ano, os reservatórios das duas regiões estavam em 44,1% da capacidade, com trajetória de recuperação no armazenamento. Hoje, o cenário é de queda no volume armazenado, tanto que os dados do operador mostram que os reservatórios do Sudeste/Centro-Oeste já recuaram 4,9 pontos porcentuais no acumulado do mês de fevereiro até ontem.

Os reservatórios do Sul também apresentam trajetória de declínio, fechando com uma capacidade de armazenamento de 42,5%, uma queda de 0,5 ponto porcentual em relação ao dia anterior e uma perda acumulada de 15,1 pontos porcentuais. Não por acaso, o Ministério de Minas e Energia (MME) anunciou a retomada por dois meses da termelétrica a gás natural AES Uruguaiana, que ofertará 250 MW médios. A usina, localizada no Rio de Grande do Sul, voltará a operar por meio de gás natural liquefeito (GNL) a ser importado pela Petrobrás.

No Nordeste, a situação é relativamente estável. Ontem, os reservatórios da região operavam com nível de 42,4%, o mesmo patamar do dia anterior. No acumulado do mês, a redução verificada é de 0,2 ponto porcentual. A região mais tranquila do País é a Norte, cujos reservatórios estavam em 74,6% da capacidade total, 1,0 ponto porcentual acima do dia anterior e que representa um ganho acumulado de 13,8 pontos porcentuais no mês.

No dia de ontem, o consumo de energia foi de 67,031 mil MW médios, abaixo do previsto pelo operador de 70,793 mil MW médios. O menor consumo de energia, influenciado pela redução das temperaturas, ajuda a explicar o menor ritmo de queda nos reservatórios do Sudeste/Centro-Oeste. A demanda recorde ontem foi de 76,986 mil MW médios, bem abaixo do valor recorde já registrado pelo operador de 85,708 mil MW médios no dia 5 deste mês.

Dos 67,031 mil MW médios, as hidrelétricas forneceram 51,098 mil MW médios, sendo 42,680 mil MW médios das usinas nacionais e 8,418 mil MW médios de Itaipu. As termelétricas somaram 15,363 mil MW médios, sendo 1,992 mil MW médios das usinas nucleares e 13,371 mil MW médios de fontes térmicas convencionais. A produção das eólicas foi de 570 MW médios.

Dada a situação hidrológica mais favorável do Norte, a região segue exportando energia para o resto do País. O Norte enviou 5,098 mil MW médios, sendo 2,510 mil MW médios para o Nordeste e 2,588 mil MW médios para o Sudeste. O Sul ainda recebeu 1,956 mil MW médios do Sudeste.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.