Andre Dusek/Estadão
Andre Dusek/Estadão

Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

No 4º mês de alta, 'prévia' do PIB do BC avança 1,06% em agosto

No acumulado do ano, porém, o índice de atividade econômica calculado pelo Banco Central registrou retração de 5,44%

Fabrício de Castro , O Estado de S.Paulo

15 de outubro de 2020 | 09h38

BRASÍLIA - Após a forte retração nos meses de março e abril, em meio à pandemia de covid-19, a atividade econômica brasileira apresentou o quarto mês consecutivo de alta. O Banco Central informou nesta quinta-feira, 15, que seu Índice de Atividade (IBC-Br) subiu 1,06% em agosto ante julho, na série já livre de influências sazonais, uma espécie de "compensação" para comparar períodos diferentes. Em julho, o avanço havia sido de 3,71% (dado revisado). 

Os efeitos da pandemia do coronavírus sobre a economia, apesar de percebidos em fevereiro, se intensificaram em todo o mundo a partir de março. Para conter o número de mortos, o Brasil adotou o isolamento social em boa parte do território, o que afetou a atividade econômica. Os impactos negativos foram percebidos principalmente em março e abril. Nos últimos quatro meses, porém, o IBC-Br demonstrou reação.  

De julho para agosto, o índice de atividade calculado pelo BC passou de 132,64 pontos para 134,05 pontos na série dessazonalizada. Esse é o maior patamar desde fevereiro deste ano (139,92 pontos).    

A alta do IBC-Br ficou dentro do intervalo projetado pelos analistas do mercado financeiro consultados pelo Projeções Broadcast, que esperavam resultado entre 0,90% e 3,44% (mediana em 1,70%).

Na comparação entre os meses de agosto de 2020 e agosto de 2019, houve baixa de 3,92% na série sem ajustes sazonais. Essa série encerrou com o IBC-Br em 136,66 pontos em agosto.

O indicador de agosto de 2020 ante o mesmo mês de 2019 mostrou desempenho dentro do intervalo projetado pelos analistas do mercado financeiro consultados pelo  Projeções Broadcast, que esperavam resultado entre -4,80% e -3,01% (mediana em -4,05%).

No acumulado dos oito primeiros meses deste ano, de acordo com a instituição, o índice de atividade econômica do BC registrou uma retração de 5,44% - sem ajuste sazonal.

Em 12 meses até agosto de 2020, os números do Banco Central indicam queda de 3,09% na prévia do PIB - também sem ajuste sazonal.

Conhecido como uma espécie de “prévia do BC para o PIB”, o IBC-Br serve como parâmetro para avaliar o ritmo da economia brasileira ao longo dos meses. A projeção atual do BC para a atividade doméstica em 2020 é de retração de 5%. Esse cálculo foi divulgado por meio do Relatório Trimestral de Inflação (RTI) de setembro.

No Relatório de Mercado Focus divulgado pelo BC na última segunda-feira, a projeção é de queda de 5,03% do PIB em 2020. O Focus reúne as projeções dos economistas do mercado financeiro.  

Os resultados do IBC-Br, porém, nem sempre mostraram proximidade com os dados oficiais do Produto Interno Bruto. O cálculo dos dois é um pouco diferente - o indicador do BC incorpora estimativas para a agropecuária, a indústria e o setor de serviços, além dos impostos.

O IBC-Br é uma das ferramentas usadas pelo BC para definir a taxa básica de juros do País. Com o menor crescimento da economia, por exemplo, teoricamente haveria menos pressão inflacionária.

Atualmente, a taxa Selic está em 2% ao ano, na mínima histórica, e o Banco Central indicou, no comunicado da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), cautela na análise de novos cortes de juros. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.