No boom do petróleo, Petrobras aumenta produção no Rio

Estatal otimiza produção de poço na Bacia de Campos, de 10 mil barris para 24 mil barris diários

Denise Luna, da Reuters,

17 de outubro de 2007 | 12h59

Em um momento em que o petróleo atinge preços recordes, a Petrobras conseguiu otimizar a produção de um dos poços do campo de Jubarte, na Bacia de Campos, de 10 mil barris para 24 mil barris diários, utilizando uma nova tecnologia de bombeio que será aplicada também em outras áreas de exploração da companhia.   O próximo campo a receber o equipamento será o de Marlim Leste, também na Bacia de Campos, no Estado do Rio de Janeiro, região responsável por mais de 80% da produção brasileira de petróleo.   O sistema de bombeio centrífugo submarino, ou BCSS, completou cem dias de operação na terça-feira e tem por objetivo aumentar a produtividade de campos produtores, assim como viabilizar a produção comercial em águas profundas, especialmente de petróleo pesado.   "Além da aplicação em acumulações de grande porte para elevar o fator de recuperação de petróleo, o sistema poderá ser utilizado para viabilizar a produção comercial de jazidas menores ou marginais, antes consideradas comercialmente inviáveis", informou a estatal em um comunicado na noite de terça-feira.   De acordo com a Petrobras, a nova tecnologia desenvolvida pela empresa em conjunto com fornecedores é de fundamental importância para a manutenção da auto-suficiência da commodity no país, uma vez que a maior parcela das reservas brasileiras é de petróleo pesado e extra-pesado.   O BCSS começou a operar no primeiro semestre deste ano e ainda está sendo acompanhado de perto pela companhia.

Tudo o que sabemos sobre:
PetrobrasPetróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.