Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

No Brasil, nova política de Macri traz esperança

Para empresários, política liberal do novo presidente pode ser a chance de reconquistar mercado

Luiz Guilherme Gerbelli, O Estado de S.Paulo

28 de novembro de 2015 | 21h05

A sinalização do presidente eleito Mauricio Macri de mudança na rota da política econômica da Argentina soou como um sinal de esperança para os empresários brasileiros. Com o novo governo e os sinais mais liberais de Macri na economia, os exportadores brasileiros veem uma chance de reconquistar terreno no país vizinho.

Nos últimos anos, os exportadores sofreram com a forte crise econômica na Argentina e a série de medidas protecionistas adotadas pelo governo de Cristina Kirchner.

A Argentina é o terceiro país que mais compra do Brasil, sobretudo produtos manufaturados. Entre janeiro e outubro, o comércio com o país vizinho representou 6,8% do total exportado. Em 2010, no auge, a fatia argentina chegou a 9,2%. “Estamos bastante otimistas com o novo governo em função de todos os sinais que ele tem enviado. O principal deles é que considera fundamental a integração produtiva entre o Brasil e a Argentina”, diz Luiz Moan, presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). No primeiro semestre de 2016, Brasil e Argentina vão ter de renegociar o acordo automotivo.

No curto prazo, os empresários entendem que o ajuste econômico a ser feito por Macri pode ser recessivo e até reduzir a demanda por produtos manufaturados, mas a expectativa é que as medidas surtam efeito e o crescimento volte no médio prazo. “O novo presidente dá sinais de que pretende estabelecer critérios de comércio mais fluído”, diz Heitor Klein, presidente da Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados). No auge, os empresários brasileiros embarcavam 15 milhões de pares para a Argentina. Em 2015, serão 7,5 milhões.

Para o presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), Rafael Cervone, a mudança de comando na Argentina deve alterar não só “a política comercial da Argentina, mas também do Mercosul”. Macri já defendeu que o Mercosul avance no acordo com a União Europeia.

Segundo a Abit, o setor tem 100 Declarações Juradas Antecipadas de Importação (DJAIS) paradas, o que trava a entrada de produtos brasileiros. Hoje, a participação do produto brasileiro de têxtil e confecção na Argentina é de 18%. Em 2005, era 42%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.