finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

No centro da crise

Subprime:O mercado hipotecário subprime nos Estados Unidos é o estopim da atual turbulência financeira global. Nele, compradores de residências com histórico de crédito ruim obtêm financiamentos hipotecários. Com a grande liquidez global e a impressionante estabilidade financeira dos últimos anos, as instituições que operam nesse mercado foram se tornando cada vez mais agressivas na busca de novos clientes, e cada vez mais desleixadas na análise de crédito. Dezenas de empresas do subprime já faliram. As perdas potenciais são calculadas entre US$ 50 bilhões e US$ 250 bilhões, e os problemas de crédito já se alastraram para outros segmentos menos arriscados do mercado hipotecárioDerivativos: Um dos maiores problemas relacionados ao mercado subprime é que o estrago na oferta de crédito nem de longe se limita ao setor habitacional americano. As instituições financeiras desenvolveram ao longo dos últimos anos instrumentos extremamente complexos, que muitas vezes não estão no balanço dos bancos, e que têm como base os fluxos de caixas gerados por empréstimos hipotecários. Como nota em seu blog, o célebre economista Nouriel Roubini (que desde 2006 vem alertando quase solitariamente sobre os riscos de uma freada brusca na economia americana), a alavancagem desses instrumentos pode atingir 100 vezes, isto é, equivalente a um investimento final de US$ 100 milhões que tenha como base um capital inicial de US$ 1 milhão. Batizados com siglas complicadas como CDOs, RMBSs e ABCPs, esses instrumentos ultra complexos espalharam-se pelas carteiras de bancos, fundos de hedge (especulativos) e fundos de pensão, e hoje ninguém no mercado global sabe exatamente onde estão os focos de contaminação e qual é o tamanho da perda potencial Volatilidade:Um dos grandes enigmas dos últimos anos é por que a volatilidade das aplicações financeiras caiu tanto no mundo. A volatilidade é a medida de quanto uma cotação oscila - quanto maior a gangorra, maior ela é. Agora, parece que a era de baixíssima volatilidade acabou

O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2018 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.