No comércio varejista, a recuperação é mais lenta

Menos emprego e renda derrubam o varejo; além de não poderem manter o padrão de vida, os consumidores reduzem não só compras de itens acessórios, mas até essenciais

O Estado de S.Paulo

06 de agosto de 2016 | 03h00

A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) projeta vendas de R$ 4,2 bilhões no Dia dos Pais, uma das seis datas do ano mais importantes para o varejo. É um número expressivo, equivalente a 5,6% do total das vendas esperadas para todo o mês de agosto, mas inferior em 9,4% ao das vendas do Dia dos Pais de 2015. A estimativa retrata as dificuldades enfrentadas pelo setor, no qual a recessão mal dá sinais de trégua.

Indicadores da CNC divulgados em reportagem do Estado mostram que 67,9 mil lojas foram fechadas em todo o País no primeiro semestre. A média de 375 por dia superou em 143% a de igual período do ano passado, quando 27,8 mil estabelecimentos encerraram as portas.

Menos pontos de venda significa menos emprego, pois o comércio varejista é um dos setores que mais dependem de mão de obra. Foram fechados 278,5 mil postos de trabalho em 2015 e a CNC projeta a eliminação de mais 267,2 mil neste ano.

A inflação verificada nos itens básicos, como alimentos, foi um dos fatores determinantes do aperto no comércio varejista. Motivo: o peso dos supermercados no setor. A situação foi constatada pelo Sindicato do Comércio Varejista de Gêneros Alimentícios do Estado de São Paulo (Sincovaga): 6 mil associados deixaram a entidade entre o final do ano passado e o primeiro semestre deste ano, segundo o presidente Álvaro Furtado. “Os varejistas estão perdendo clientes para os atacarejos”, enfatizou Furtado.

Para enfrentar a carestia, formam-se grupos de consumidores para comprar quantidades maiores e ganhar com a escala. Pequenos estabelecimentos da periferia também compram em atacarejos para atender a clientela local.

Segundo a CNC, foram fechados 22,8 mil hiper ou supermercados no primeiro semestre, 12,7 mil lojas de vestuário e calçados, 7,1 mil varejistas de material de construção e 7 mil de artigos de uso pessoal e doméstico. São os segmentos mais atingidos pela recessão.

Menos emprego e renda derrubam o varejo. Além de não poderem manter o padrão de vida, os consumidores reduzem não só compras de itens acessórios, mas até essenciais. A massa cativa de consumidores com renda estável, como aposentados e servidores públicos, que mantêm a demanda em fases ruins, já não é suficiente. É possível que só uma queda de preços de alimentos mais atingidos pelo clima desfavorável possa ajudar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.