Divulgação
Divulgação

No exterior, é preciso foco no cliente, diz BRF

Companhia aposta em modelo descentralizado para dar mais agilidade aos negócios

O Estado de S. Paulo

15 Dezembro 2015 | 03h00

Para se manter competitivo no exterior, é preciso estar próximo do cliente, avalia Augusto Ribeiro Jr., vice-presidente de finanças e relações com investidores da BRF, conglomerado do ramo alimentício criado a partir da fusão da Sadia com a Perdigão.

Foi pensando nisso que a companhia adotou, no início de 2015, um modelo administrativo descentralizado, com equipes próprias em cada diretoria regional, para oferecer respostas com maior agilidade às demandas de cada mercado em que atua. “Precisamos contar com a expertise local para avançar”, afirma o executivo.

Dos R$ 8,28 bilhões de faturamento da companhia no terceiro trimestre, 52,3% vieram do comércio exterior. Apenas o Oriente Médio, maior mercado fora do País, respondeu por 22,7%, seguido da Europa (13,6%), Ásia (9,2%) e América Latina (6,8%).

O modelo adotado para ampliar a presença do conglomerado no exterior foi o de adquirir distribuidores locais nos mercados onde a empresa está presente. De acordo com Augusto Ribeiro Jr., a estratégia permite que a BRF, por exemplo, avance na cadeia de valor das regiões onde mantém negócios. “Assim conseguimos introduzir produtos de maior valor agregado, melhorar preços e ter mais controle sobre o varejo”, conta o executivo.

Como parte da estratégia no Oriente Médio, a companhia assinou em outubro um acordo para a compra de parte do negócio de distribuição de congelados da Qatar National Import and Export, na Península Arábica. Dessa forma, a BRF espera fortalecer sua presença, controlando grande parte da distribuição dos seus produtos em toda a região do Golfo.

Momento. A crise econômica brasileira representa um grande desafio, mas não significa um foco exclusivo da BRF no mercado externo, defende Augusto Ribeiro Jr. De acordo com o executivo, as estratégias de expansão da companhia, tanto para o mercado interno, quanto externo, são de certa forma “complementares”. 

“A BRF mantém firme o objetivo de ampliar e consolidar sua liderança nos mercados onde está presente”, diz Ribeiro.

Mais conteúdo sobre:
exportaçãofóruns estadão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.