No G-20, líder chinês pede manutenção de estímulos

Hu também defende reforma do sistema financeiro e oposição ao protecionismo comercial

DANIELLE CHAVES, Agencia Estado

25 de setembro de 2009 | 14h15

O presidente da China, Hu Jintao, pediu que a comunidade internacional "permaneça firme" em seu compromisso para promover um crescimento equilibrado da economia mundial. Em pronunciamento feito no encontro do G-20 (grupo que reúne as 20 maiores economias do mundo), Hu pediu que os membros do grupo sejam firmemente comprometidos com o crescimento econômico, mantendo a intensidade de seus planos de estímulo. Ele também defendeu mais reforma do sistema financeiro internacional e oposição a qualquer forma de protecionismo comercial.

Veja também:

link G-20: confira quais promessas foram cumpridas até agora

link Brasil e emergentes colhem vitória com G-20 mais forte

link Ativistas realizam protestos contra a cúpula do G-20

especial ESPECIAL: O G-20 e a crise 

mais imagens Veja imagens da cúpula do G-20 nos EUA

Hu também alertou aos países de importantes moedas de reserva que levem em conta as implicações de suas políticas monetárias tanto para suas economias como para a economia mundial, com intenção de manter a estabilidade dos mercados financeiros internacionais. As opiniões de Hu sobre reestruturação do modelo econômico por meio do aumento da demanda doméstica, em vez da dependência pesada de exportações, está em linha com os pedidos do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, por um crescimento mais sustentável e equilibrado da economia mundial.

"Nós temos tomado medidas ativas para ajustar a estrutura da demanda doméstica e externa e a estrutura de investimento e consumo, e para encontrar o equilíbrio correto entre velocidade, estrutura, qualidade e eficiência do crescimento econômico", disse Hu. No entanto, o presidente chinês afirmou que a fonte de tal desequilíbrio no crescimento está no "crescente vácuo de desenvolvimento" entre o Norte e o Sul. Países desenvolvidos deveriam tomar medidas concretas para aumentar a assistência para os países em desenvolvimento, afirmou Hu. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
G-20reuniãoChina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.