No lançamento do Procaminhoneiro, Lula pede queda do juro

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) anunciou hoje a criação do Programa de Financiamento a Caminhoneiros, chamado Procaminhoneiro. Na cerimônia do anúncio, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva sugeriu que o Conselho Monetário Nacional (CMN) ouça o pedido do ministro do Desenvolvimento, Luiz Fernando Furlan, para que a Taxa de Juro de Longo Prazo (TJLP), que reajusta os financiamentos do BNDES, seja reduzida na próxima reunião do Conselho, marcada para o dia 22. Além de decidir a TJLP, que está em 8,15% ao ano, o CMN terá que definir a meta de inflação para 2008 e ratificar ou não a meta de 4,5% já fixada para o próximo ano.O ministro Furlan discursou antes do presidente e chamou a atenção de Lula, afirmando que "dia primeiro de julho é dia de baixar a TJLP". Furlan brincou que espera que o ministro da Fazenda, Guido Mantega, leve para o CMN "os bons fluidos do Rio de Janeiro", onde esteve no final de 2004 até fevereiro deste ano presidindo o BNDES, que baseia seu financiamento na TJLP. Também integram o CMN o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, e o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo.Lula cobrou agilidade do banco e disse que tomou um susto quando soube que a instituição levava, em média, 270 dias para responder a um pedido de financiamento. O presidente afirmou também que, por várias vezes, "o Brasil parecia que ia dar certo e, de repente, desandava". De acordo com ele, isso ocorria porque "o País só era pensado de quatro em quatro anos". Para o presidente, o Brasil precisa ser pensado por, no mínimo, 20 anos, inclusive em relação a grandes projetos de infra-estrutura. Destacou, neste sentido, a ampliação da ferrovia Transnordestina, a auto-suficiência em petróleo e o desenvolvimento do combustível H-Bio que, segundo ele, vai um passo além do biodiesel. O presidente afirmou que estará no final de mês de volta ao Rio, em evento para anunciar a construção de um pólo petroquímico em Itaboraí, projeto da Petrobras com o Grupo Ultra. Ele destacou também o investimento da empresa alemã ThyssenKrupp com a Vale do Rio Doce para um pólo siderúrgico de US$ 2,4 bilhões, também no Estado do Rio.Funcionamento do programaO Procaminhoneiro será destinado tanto a empresários individuais, quanto autônomos no setor de transporte de carga para o financiamento da aquisição de caminhões, chassis e carrocerias de caminhões de fabricação nacional, novos ou usados que, no ano de apresentação do pedido de financiamento ao BNDES, tenham completado até oito anos, contados a partir do ano de sua fabricação.No caso de caminhões usados, poderão ser financiados somente equipamentos com garantia de procedência, adquiridos em fabricantes, concessionárias ou distribuidoras autorizadas ou revendedoras independentes, que serão responsáveis pela revisão garantida por pelo menos 90 dias. Os recursos disponíveis para o programa são de até R$ 500 milhões, disponibilizados até o último dia deste ano, mas o programa será estendido a 2007 e seu orçamento poderá ser elevado em função da demanda.Lula defende ajuda a paísesO presidente disse ainda que "o Brasil não só pode como tem a obrigação de financiar o desenvolvimento de países que fazem fronteira conosco". Segundo ele, "tem gente que fala besteira" criticando o BNDES por dar financiamentos às exportações brasileiras para outros países da América do Sul. De acordo com o presidente, o Brasil tem compromisso com o desenvolvimento dos países vizinhos, com a segurança e a paz nas fronteiras.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.