No mercado de celulares, Google adota estratégia da Microsoft

Sistema operacional Android, disponível em diferentes modelos, já supera o iPhone da Apple no mercado americano

Hiawatha Bray THE BOSTON GLOBE, O Estado de S.Paulo

20 de agosto de 2010 | 00h00

A guerra pelo domínio em celulares inteligentes praticamente acabou, e as razões estão em cima da minha escrivaninha. Ali estão o Vibrant da Samsung, uma beleza reluzente de 115 gramas com tela colorida estonteante. Ao seu lado está o volumoso Streak de 225 gramas da fabricante de PCs, Dell, o maior celular que já vi desde que a NBC cancelou a série Miami Vice. Cada um, à sua maneira, é delicioso. E ambos são construídos em torno do Android, o sistema operacional para smartphone da Google que está superando a Apple no mercado americano de smartphones.

A Apple e seu excelente iPhone vão se dar bem, mas a Google abocanhará a maior parte do mercado, pois adotou a velha tática para PC da Microsoft; com a venda do software Windows a qualquer fabricante de computador, a Microsoft inundou o mundo com máquinas Windows.

Existem hoje apenas três modelos de iPhone, todos da Apple, e disponíveis nos Estados Unidos por apenas uma operadora: a AT&T. Há mais de 20 modelos Android, produzidos por várias companhias e disponíveis para qualquer operadora de celular. É claro que o Android vai vencer.

A abordagem do Android encoraja projetistas de telefones a criarem recursos inovadores tendo em vista determinados mercados de nicho. Assim, estamos recebendo aparelhos como o Vibrant e o Streak, que não têm quase nada em comum, exceto o software que rodam.

O Streak está sendo oferecido pela Dell pelo preço cheio de US$ 549, ou pode-se pagar US$ 299 por um contrato de dois anos da AT&T, a única operadora que oferece o aparelho nos EUA. Mas, segundo a Dell, o Streak não é bem um telefone.

Um executivo da empresa me disse que ele foi projetado como um computador tablet, um rival do iPad, não do iPhone. A Dell acrescentou um telefone quando consumidores que testavam o Streak pediram insistentemente. O volumoso Streak é ótimo para um bolso de paletó com costuras reforçadas. Mas o peso pena Vibrant é um verdadeiro telefone de bolso de camisa. A T-Mobile oferece o Vibrant por US$ 199 com contrato de dois anos.

A Samsung está promovendo o Vibrant como um aparelho de entretenimento com telefone. Não estranha que eles escolheram a tecnologia de diodo emissor de luz orgânico para a tela (Oled, na sigla em inglês). O Oled não precisa de iluminação por trás, o que deixa o telefone esplendidamente fino.

A Samsung está incluindo uma cópia do filme Avatar em cada Vibrant, carregado no chip de memória flash de 16 gigabytes. Os usuários também podem fazer seus filmes, e a câmera de cinco megapixels do Vibrant suporta vídeos de alta definição. Vibrant e o Streak não são perfeitos. Nenhum telefone Android é. Mas eles são tantos.

A Apple responde por quase a metade dos lucros da indústria de smartphones, mas vende uma fração desses aparelhos. E, com tantos Androids excelentes para escolher, a fatia da Apple só pode diminuir. / TRADUÇÃO DE CELSO M. PACIORNIK

Dieta

A maior fraqueza do Streak talvez seja a falta de aplicativos. Eles poderão vir mais tarde, mas por enquanto os proprietários do aparelho terão de se virar com a dieta Android usual.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.