Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

No Nordeste, Bolsonaro faz apelo a governadores e prefeitos pela reforma da Previdência

Em encontro no Recife presidente também destacou sua decisão de pagar 13.º salário a beneficiários do Bolsa Família

Pedro Venceslau, enviado especial, O Estado de S.Paulo

24 de maio de 2019 | 12h43
Atualizado 24 de maio de 2019 | 14h16

RECIFE - Em sua primeira viagem oficial ao Nordeste, nesta sexta-feira, 24, no Recife, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) destacou sua decisão de pagar o 13.º salário a beneficiários do Bolsa Família, promessa feita durante a campanha eleitoral.

"É uma maneira de distribuição de renda justa", disse o presidente, que participou de uma reunião do conselho deliberativo da Superintendência para o Desenvolvimento do Nordeste (Sudene). Sem citar nominalmente o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ou os governos do PT, ele admitiu que o programa não foi criado por ele, mas "veio lá de trás".

Na ocasião, o presidente fez um apelo para que os prefeitos e governadores trabalhem pela aprovação da reforma da Previdência, alegando que a proposta é fundamental para reduzir desigualdades no País. 

Ao tratar da tramitação da reforma no Congresso, Bolsonaro voltou a acenar aos parlamentares. "É legítimo o Parlamento fazer mudanças (no texto da reforma)", disse o presidente, que também elogiou ministros de Estado. "Eu apenas sou o maestro de uma banda ou de uma orquestra." 

A maioria dos governadores que integram o conselha da Sudene é de partidos que fazem oposição ao governo na região, onde Bolsonaro registra seus piores índices de popularidade – 40% de rejeição, segundo o Ibope. Oficialmente, a viagem marca o lançamento do Plano Regional de Desenvolvimento do Nordeste (PRDNE). 

Ao discursar, Bolsonaro afirmou que “fará o possível para ajudar os irmãos do Nordeste”, apesar da atual situação da economia brasileira, e se definiu como o “maestro de uma orquestra”, ressaltando ainda que é “legítimo” que o Congresso faça mudanças nos projetos enviados pelo governo.

Comitiva

Bolsonaro levou uma comitiva de 15 pessoas a Pernambuco. Para evitar protestos, o Planalto dividiu o grupo em dois helicópteros no deslocamento entre a base aérea de Recife e o Instituto Brennan, onde aconteceu o encontro. Antes da abertura da reunião, governadores de oposição criticaram o presidente.

Flávio Dino, do Maranhão, classificou como "desastrado" o decreto sobre as armas e chamou o presidente de "sectário", "divisionista" e "extremista" Já o governador de Alagoas, Renan Filho (MDB), afirmou aos jornalistas que a baixa popularidade de Bolsonaro não será revertida com dinheiro, mas com "capacidade de liderar". 

Acompanharam Bolsonaro os ministros Osmar Terra (Cidadania), Marcos Pontos (Ciência e Tecnologia), Santos Cruz (Secretaria de Governo), Floriano Peixoto (Secretaria-Geral), general Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional), o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), os deputados André Ferreira (PSC-PE), Dayane Pimentel (PSL-BA), General Girão (PSL-RN), Heitor Freire (PSL-CE), Júlio César (PSD-PI), Luciano Bivar (PSL-PE), o presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, o secretário especial de Assuntos Fundiários do Ministério da Agricultura, Luiz Antônio Nabhan Garcia, e o presidente da Embratur, Gilson Machado Guimarães Neto.

O presidente segue para Petrolina, onde participa da entrega de um conjunto habitacional do programa Minha Casa Minha Vida.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.