Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Ricardo Araújo/Estadão
Ricardo Araújo/Estadão

No Rio Grande do Norte, greves e protestos por atraso de salários

Governo do Estado não pagou os vencimentos de dezembro nem o 13º dos servidores, em um total de R$ 700 milhões

Ricaro Araújo, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

16 de janeiro de 2018 | 05h00

No Rio Grande do Norte, o ano começou com greves e protestos contra o governo estadual. Além da crise na segurança pública, o Estado enfrenta uma grave crise fiscal. O governo não tem previsão de quando conseguirá depositar os salários de dezembro e o 13.º dos servidores, em um total de R$ 700 milhões.

O acúmulo de dívidas pela maioria dos funcionários públicos levou muitos a se reunirem em campanhas de arrecadação de alimentos, que estão sendo feitas nos batalhões de polícia e hospitais públicos. “Todos os meses estão sendo pagos com atraso. Dependo desse dinheiro para tudo: alimentação, remédios, água, luz. Meu IPTU está atrasado”, diz a pensionista Iracy Cortez, de 73 anos. Com o nome negativado nos serviços de proteção ao crédito, ela não consegue tomar empréstimos.

++Em três anos, conta dos Estados sai do azul para um rombo de R$ 60 bi

Policiais fizeram uma paralisação nos serviços que se estendeu por 22 dias. O movimento só chegou ao fim depois que o Estado prometeu pagar os servidores da segurança pública até o dia 30. Com as demais categorias, não houve negociação – servidores da saúde estão em greve há 60 dias.

O secretário das Finanças, Gustavo Nogueira, destaca que as transferências da União caíram 10% de 2017 para 2014, enquanto a folha de pessoal cresceu 23%, acentuado a crise fiscal. “Isso é insustentável”, diz. Ele destaca que o governo mandou à Assembleia Legislativa um projeto de lei de teto de gastos no ano passado que ainda não foi aprovado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.