No segundo dia de greve, 23 mil bancários ficam parados em SP

Balanço parcial do sindicato revela que cerca de 330 locais de trabalho fecharam em São Paulo e região

Solange Spigliatti, Central de Notícias,

25 de setembro de 2009 | 13h09

Cerca de 23 mil bancários permaneceram parados em São Paulo nesta sexta-feira, 25, no segundo dia de greve da categoria, segundo estimativa do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região. Balanço parcial do sindicato revela que cerca de 330 locais de trabalho, entre agências e prédios administrativos, fecharam em São Paulo, Osasco e Região, hoje, segundo dia de greve dos bancários.

 

Veja também:

linkBancários paralisam 2,5 mil agências por todo o País

 

Pararam os prédios administrativos da Nossa Caixa (Rua do Tesouro, XV de Novembro, Líbero e Álvares Penteado), Unibanco (Patriarca, Boa Vista e CAU, onde funciona parte da tecnologia do banco), Banco do Brasil (Complexo São João e Verbo Divino).

 

No Bradesco Alphaville, onde funciona a área de sistemas do banco, como aconteceu ontem, a paralisação se estendeu até as 10h, envolvendo cerca de 2 mil trabalhadores entre bancários e terceirizados.

 

Passeata

 

Após a decisão de permanecerem em greve por tempo indeterminado, os bancários de São Paulo anunciaram que realizarão uma passeata pelas ruas da cidade nesta sexta-feira. A concentração será na Praça Oswaldo Cruz com destino ao prédio do Banco Real, próximo à estação Trianon do Metrô, na Avenida Paulista, banco adquirido pelo Grupo Santander. No local, está instalado o escritório de Fábio Barbosa, presidente do Santander e da Federação Nacional dos Bancos (Fenaban).

 

 

Rio de Janeiro

 

A greve dos bancários na cidade do Rio de Janeiro contou com adesão de 70% dos trabalhadores da categoria no município até o fim do dia de ontem, primeiro dia do movimento. A expectativa dos sindicalistas, segundo o presidente do Sindicato dos Bancários do Município do Rio de Janeiro, Almir Aguiar, é que o porcentual de adesão cresça mais até o fim do expediente desta sexta-feira. "Ontem, em torno de 14.700 trabalhadores aderiram ao movimento", afirmou o sindicalista.

 

Aguiar comentou que, nesta sexta, muitas agências bancárias importantes localizadas no centro do Rio e que não pararam nesta última quinta aderiram à paralisação. No Rio, existem cerca de 915 agências bancárias, de acordo com cálculo do sindicato. Entre as reivindicações da categoria, os trabalhadores pedem 10% de reajuste salarial e auxílio educação. Ainda segundo Aguiar, os bancários do Rio marcaram nova assembleia para discutir a greve para a próxima segunda-feira. "Se até lá não tivermos nenhuma proposta na mesa de negociação, continuaremos com a greve por tempo indeterminado", afirmou o sindicalista.

 

(Com Agência Estado)

Tudo o que sabemos sobre:
grevebancosSPRJ

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.