No setor agrícola, contração de 1,6%

Variações climáticas e redução do uso de fertilizantes foram as causas

Daniele Carvalho e Paula Pacheco, RIO, O Estadao de S.Paulo

10 de junho de 2009 | 00h00

Impactado por fortes variações climáticas, que resultaram em quebra de safra, e pela redução do uso de fertilizantes mais modernos, o Produto Interno Bruto (PIB) do setor agropecuário caiu 1,6% em relação ao primeiro trimestre do ano passado. Apesar da retração, alguns especialistas têm expectativa menos pessimista para os próximos meses. Segundo o ex-ministro da Agricultura e professor da Fundação Getúlio Vargas, Roberto Rodrigues, já era esperada a retração do PIB do agronegócio. A explicação, segundo ele, é a queda do preço das commodities agrícolas e a produção em menor escala. Rodrigues prefere não trabalhar com uma previsão numérica para os dois próximos trimestres, mas tem certeza que o ano terminará com um PIB agrícola inferior a 2008. "Não tem mais o que discutir, será menor e pronto", diz. Mas para 2010, acredita o ex-ministro, a tendência é recuperação do PIB do agronegócio brasileiro. "A expectativa no hemisfério norte é de uma safra menor já neste ano, o que não será capaz de recompor os estoques. De uma forma geral, os estoques globais de milho, arroz e soja estão até 30% menores do que o volume de dez anos atrás, o que vai demandar uma produção maior. Por último, há a demanda crescente dos emergentes. China, Índia e mesmo o Brasil continuam demandando por alimentos, apesar da crise", opina o especialista. A gerente de contas nacionais trimestrais do IBGE e responsável pela pesquisa do PIB trimestral, Rebeca Palis, citou dados de outra pesquisa do instituto, a de levantamento sistemático da produção agrícola (LSPA). A pesquisa aponta que, no ano, haverá quedas em relação a 2008 nas safras de algodão (19,7%), milho (13,2%), soja (3,9%), fumo (1,2%) e arroz (6,2%). Os problemas climáticos seriam os responsáveis pelas quedas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.