No setor de imóveis será difícil um ano como 2013

Em contraste com o comportamento inexpressivo da economia brasileira em 2013, tanto os lançamentos de imóveis novos como a comercialização apresentaram, no ano passado, números exuberantes - crescimento, respectivamente, de 16,4% e de 23,6%, em comparação com 2012. É o que diz o balanço do setor imobiliário do Município e das cidades da região metropolitana de São Paulo.

O Estado de S.Paulo

12 de fevereiro de 2014 | 02h08

Há duas explicações para a expansão do mercado: a primeira é a base de comparação, pois 2012 foi um ano fraco para o setor de imóveis, às voltas com problemas que iam desde a entrega das unidades, atrasadas em razão da escassez de mão de obra qualificada, até a superestimada capacidade de produção de algumas grandes empresas. A segunda foi a conclusão de obras postas à venda em 2013. Empresas capitalizadas, que puderam esperar para colocar as unidades no mercado, buscaram beneficiar-se das altas de preços adiando as vendas.

O aspecto mais negativo foi mencionado pelo presidente do sindicato da habitação (Secovi), Cláudio Bernardes: a evolução nominal dos preços dos imóveis foi da ordem de 20%, em 2013, enquanto a alta real, descontada a inflação, foi estimada pelos técnicos da entidade em 10,7%, em média. Essa alta de preços limita a expansão do mercado imobiliário - e é provável que ela se repita, neste ano.

A principal evidência das limitações do poder aquisitivo dos compradores está na dimensão das unidades: dobraram, em um ano, as vendas de apartamentos de um dormitório, de 4,2 mil para quase 8,4 mil. E esses apartamentos alcançaram uma participação de 25% nas vendas totais, em relação aos 15% registrados no ano anterior.

A projeção para o mercado imobiliário, em 2014, é de estabilidade, ou seja, de preservação de um ritmo apenas satisfatório de atividade. Não é o que o setor aprecia, mas poderá ser inevitável.

Não é que faltem recursos para financiar produtores e mutuários, pois as cadernetas continuam a bater recordes de captação. Os inimigos do mercado são a inflação, que reduz o poder de compra dos salários, a dificuldade de achar áreas edificáveis, em especial nos grandes centros, e as incertezas no plano macroeconômico.

Essas incertezas afetam tanto construtores, que hesitam em lançar empreendimentos, como mutuários, que temem pela instabilidade das empresas onde trabalham ou prestam serviços.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.