No Tesouro Direto, saída é apostar em prazos mais longos

Rendimento dos três tipos de papel – os vinculados à própria Selic, ao IPCA e os prefixados – tende a descer a ladeira junto com a Selic, que caiu para 5,5%

Regina Pitoscia*, O Estado de S.Paulo

19 de setembro de 2019 | 04h00

Não tem como os títulos do governo, negociados pela plataforma do Tesouro Direito, saírem ilesos de mais um novo corte no juro básico da economia. 

O rendimento dos três tipos de papel – os vinculados à própria Selic, ao IPCA e os prefixados – tende a descer a ladeira junto com os juros.

Entre os três tipos, o mais popular tem sido o Tesouro Selic com remuneração baseada na evolução da taxa básica de juros (Selic). Uma preferência que, mesmo com a perspectiva de queda das taxas, pode ser entendida como desconfiança do investidor de que inflação e juros permaneçam em níveis baixos por muito mais tempo. 

O Tesouro IPCA remunera o aplicador com juro real, previamente definido, mais correção monetária pós-fixada, de acordo com a variação da inflação medida pelo IPCA. Com esses títulos, é preciso ficar atento ao prazo da aplicação, mais longo se comparado com as tradicionais opções de renda fixa.

E os prefixados, que têm a rentabilidade fixada no momento da aplicação, oferecem o risco de pagar menos do que a inflação ou os juros correntes no momento do resgate do título.

Esses papéis tendem a pagar mais do que a caderneta de poupança, mas desde que o dinheiro fique aplicado por um período mais longo, a partir de 12 meses. O resgate dos Títulos do Tesouro pode ser em prazos menores, até diário em alguns deles. Mas, nesse caso, o rendimento será proporcional e nem sempre vai compensar.

Nesse cenário de juros baixos e ainda em trajetória de queda, para ter uma rentabilidade diferenciada, o investidor precisa se acostumar com prazos mais longos. Ele requer um planejamento e a diferenciação entre os recursos que podem ficar engessados por mais tempo dos que serão usados em curto espaço de tempo para acerto de compromissos. 

* É JORNALISTA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.