coluna

Louise Barsi: O Jeito Waze de investir - está na hora de recalcular a sua rota

No trimestre, IBC-Br aponta para alta de 1%

Economistas consideram a queda de fevereiro ante janeiro, mas levam em conta resultado de março

RICARDO LEOPOLDO , BEATRIZ BULLA, O Estado de S.Paulo

13 de abril de 2013 | 02h05

Apesar de o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) ter apresentado queda em fevereiro em relação a janeiro, o resultado divulgado ontem corrobora a expectativa de que o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do primeiro trimestre ficará próximo a 1% na comparação com o quarto trimestre de 2012, avaliaram economistas ouvidos pelo Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado.

"Se o IBC-Br for de zero em março, já daria um PIB próximo de 0,8%. Como provavelmente não será zero, pelas indicações de dados da montadoras de veículos, a probabilidade é de um PIB próximo de 1%", comentou o economista-chefe do banco ABC Brasil, Luis Otávio de Souza Leal, que prevê crescimento de 3,3% neste ano.

A sócia da consultoria Tendências, Alessandra Ribeiro, disse que a expectativa é que o indicador do BC suba perto de 1% em março, o que levaria a um resultado acumulado do IBC-Br de 1,2% no trimestre. "Como o índice não é uma proxy (substituto) perfeita do PIB, o crescimento da economia no primeiro trimestre vai ser um pouco menor, uma alta de 1,1%."

Os dados do indicador do BC de fevereiro, divulgados ontem, "são bons, apesar de serem negativos", disse Leal. Para Alessandra, vai ocorrer um arrefecimento para 0,7% no segundo trimestre. Entre os fatores que influenciarão esse resultado, ela destacou uma redução da intensidade da produção industrial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.