Adriano Machado/Reuters
Adriano Machado/Reuters

No Twitter, #PSLTraidor ganha força após partido apoiar previdência mais branda para policiais

Deputadas Joice Hasselmann e Carla Zambelli, além do ministro da Economia, Paulo Guedes, foram alvo de críticas online por militantes da esquerda e da direita

Gabriel Wainer, O Estado de S.Paulo

12 de julho de 2019 | 10h22

Desde o início da madrugada desta sexta-feira, 12, o principal assunto debatido no Twitter brasileiro é #PSLTraidor, que critica o partido do presidente da República, Jair Bolsonaro, por ter apoiado a emenda que altera a reforma da Previdência para prever regras de aposentadorias mais branda para algumas carreiras policiais

Os principais alvos da revolta dos internautas são as deputadas Carla Zambelli (PSL-SP) e a líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann (PSL-SP). Na rede social, ambas as parlamentares afirmaram que votaram de acordo com orientação do ministro da Economia, Paulo Guedes, e sua equipe, mas a justificativa não impediu que fossem intensamente criticadas tanto por apoiadores quanto por opositores do governo. 

Joice, ao ser criticada por um perfil que se denomina "Direita Unida", respondeu que é contra qualquer privilégio e havia deixado isso bem claro, mas que, como líder do governo, tem que fazer o que o governo orienta. A deputada se irritou com os comentários e chamou  de "anta" o perfil crítico. 

Há, ainda, perfis que acusam o partido de ser "sindicalista como a esquerda". O perfil da "caneta desesquerdizada", influente entre os militantes de direita, é um dos mais atuantes contra o partido. Respondendo a um post do deputado Carlos Jordy (PSL-RJ), o perfil afirmou que o PSL deu um "tapa na cara do trabalhador que terá que se aposentar aos 65 anos enquanto policiais federais se aposentarão aos 53".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.