Adriano Machado/Reuters
Adriano Machado/Reuters

ESG

Coluna Fernanda Camargo: É necessário abrir mão do retorno para fazer investimentos de impacto?

No Twitter, #PSLTraidor ganha força após partido apoiar previdência mais branda para policiais

Deputadas Joice Hasselmann e Carla Zambelli, além do ministro da Economia, Paulo Guedes, foram alvo de críticas online por militantes da esquerda e da direita

Gabriel Wainer, O Estado de S.Paulo

12 de julho de 2019 | 10h22

Desde o início da madrugada desta sexta-feira, 12, o principal assunto debatido no Twitter brasileiro é #PSLTraidor, que critica o partido do presidente da República, Jair Bolsonaro, por ter apoiado a emenda que altera a reforma da Previdência para prever regras de aposentadorias mais branda para algumas carreiras policiais

Os principais alvos da revolta dos internautas são as deputadas Carla Zambelli (PSL-SP) e a líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann (PSL-SP). Na rede social, ambas as parlamentares afirmaram que votaram de acordo com orientação do ministro da Economia, Paulo Guedes, e sua equipe, mas a justificativa não impediu que fossem intensamente criticadas tanto por apoiadores quanto por opositores do governo. 

Joice, ao ser criticada por um perfil que se denomina "Direita Unida", respondeu que é contra qualquer privilégio e havia deixado isso bem claro, mas que, como líder do governo, tem que fazer o que o governo orienta. A deputada se irritou com os comentários e chamou  de "anta" o perfil crítico. 

Há, ainda, perfis que acusam o partido de ser "sindicalista como a esquerda". O perfil da "caneta desesquerdizada", influente entre os militantes de direita, é um dos mais atuantes contra o partido. Respondendo a um post do deputado Carlos Jordy (PSL-RJ), o perfil afirmou que o PSL deu um "tapa na cara do trabalhador que terá que se aposentar aos 65 anos enquanto policiais federais se aposentarão aos 53".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.