EFE/Laurent Gillieron
EFE/Laurent Gillieron

bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Nobel de Economia se diz 'chocado' com apoio de Davos à reforma tributária de Trump

Joseph Stiglitz, que é professor da Universidade de Columbia e fez parte do conselho do ex-presidente Bill Clinton, afirmou que a reforma 'distorce a economia' ao permitir que o mercado imobiliário ganhe dinheiro com especulação

Célia Froufe, enviada especial, Broadcast

26 de janeiro de 2018 | 14h01

DAVOS- O prêmio Nobel de Economia Joseph Stiglitz fez ácidas críticas à passagem do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, durante o Fórum Econômico Mundial, em Davos, e à reforma tributária norte-americana. Ele, que é professor da Universidade de Columbia e fez parte do conselho do ex-presidente Bill Clinton, se disse "chocado" com o apoio do fundador do evento, o professor Klaus Schwab, à medida fiscal americana.

"Com exceção da banda notável, foi tudo muito embaraçoso", afirmou a um pequeno grupo de jornalistas no local do evento. Ele se referiu a uma fanfarra que tocou antes do pronunciamento de Trump, que estava programado para ser o ápice da edição de 2018. "Eu não sei quem foi o responsável por isso", continuou. Quando um repórter respondeu que foi o fundador do Fórum, ele reagiu: "Eu fiquei chocado com o apoio de Schwab à reforma tributária de Trump". Este foi um dos momentos em que a plateia ensaiou uma vaia, um pouco antes do início da fala do presidente americano, quando ele ainda estava sendo apresentado pelo anfitrião.

Para o economista, a reforma tributária dos Estados Unido vai na direção errada. "Eu sou economista", afirmou, acrescentando que economias precisam de emprego para crescer e que o que faz a economia crescer é a produtividade. Por sua vez, continuou, o que alimenta a produtividade é a educação, o apoio ao mercado de trabalho e os investimentos. "A reforma tributária dos EUA distorce a economia", avaliou.

A medida, segundo Stiglitz, leva o mercado imobiliário americano ao posto dos principais ganhadores com as mudanças fiscais. "Nenhum país nunca cresceu com base numa especulação no mercado imobiliário. No mundo todo, os impostos são usados para subsidiar a educação. E nós estamos taxando a educação. Isso acontece pela primeira vez...", argumentou. "É uma pena um presidente dos Estados Unidos não entender o que é democracia", continuou, acrescentando que Trump é o "mestre" da divisão social e política.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.