Tim Chong /Reuters–21/6/2011
Tim Chong /Reuters–21/6/2011

Nokia perde liderança na venda de smartphones

Sucesso do iPhone, da Apple, e do Galaxy, da Samsung, fez com que a empresa finlandesa ficasse para trás na disputa dos telefones inteligentes

Tarmo Virki, da Reuters, O Estado de S.Paulo

30 de julho de 2011 | 00h00

A Apple e a Samsung Electronics terminaram, no segundo trimestre, com os 15 anos de predomínio da Nokia nas vendas de smartphones, segundo analistas.

A Nokia dominou o mercado dos telefones inteligentes desde que lançou, em 1996, o modelo Communicator, mas a concorrência de seus dois rivais mais próximos e uma queda de suas vendas fizeram a empresa cair para a terceira posição no trimestre encerrado em junho, à medida que a expansão do segmento começa a abrandar.

A Apple vendeu um recorde de 20,3 milhões de iPhones entre abril e junho, apesar de seu modelo iPhone 4 já ter mais de um ano. Normalmente, o êxito de um modelo de smartphone não dura tanto. A Apple apresentou seus números de vendas na semana passada.

Ontem, analistas estimavam que a Samsung havia vendido 19 milhões de smartphones no segundo trimestre, bem mais do que os 16,7 milhões da Nokia em igual período, pois conseguiu aproveitar a bem-sucedida demanda por telefones inteligentes que utilizam o software Android, do Google.

"O catálogo do Galaxy, da Samsung, demonstrou ser popular, especialmente o modelo principal S2 Android", afirmou Neil Mawston, analista da Strategy Analytics. A empresa calcula que o volume do mercado dos smartphones cresceu 76% em um ano. A ABI Research, um pouco mais conservadora, estima a expansão em 62%.

Mudança. O crescimento do mercado global de telefones móveis desacelerou no período de abril a junho, pois as vendas de modelos básicos caíram pela primeira vez em sete trimestres, em razão do controle de gastos dos consumidores, afirmou ontem a empresa de pesquisa de mercado IDC.

A IDC disse que a forte demanda por smartphones permitiu que o mercado global de celulares tivesse expansão de 11,3% sobre o ano anterior, para 364,4 milhões de unidades. No entanto, isso representa uma desaceleração sobre o trimestre anterior, quando o avanço nas vendas havia sido de 16,8%.

A Strategy Analytics estimou o mercado total de telefonia móvel no trimestre em 361 milhões de aparelhos. Numa pesquisa da Reuters, a média das previsões para o mercado global de 29 analistas se manteve em 374 milhões de telefones.

A IDC afirmou que as vendas dos telefones mais simples caíram 4% em relação ao ano passado, por causa da redução de gastos e da transição contínua para os smartphones, mais visível nos mercado desenvolvidos, como Estados Unidos, Europa Ocidental e Japão.

"A contração do mercado dos telefones simples está tendo um grande impacto sobre alguns dos maiores provedores de telefones móveis do mundo", disse o analista Kevin Restivo em um comunicado. "As mais irredutíveis, como a Nokia, estão perdendo participação no mercado de telefones simples para provedores de baixo custo, como Micromax, TCL-Alcatel e Huawei", acrescentou.

A Nokia, que, apesar das dificuldades, continua sendo a maior fabricante de telefones em volume, sofreu uma queda nas vendas de 20% em um ano, o que ajudou a Samsung a encurtar ao mínimo a distância para a empresa finlandesa no mercado global de telefonia móvel.

Alguns analistas adiantam que a Samsung poderá se converter na maior companhia de telefones móveis já no ano que vem. / TRADUÇÃO DE CELSO PACIORNIK

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.