finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Nokia registra lucro de 1,2 bi de euros no 4º trimestre

A Nokia, maior fabricante mundial de telefones celulares, reportou lucro pré-impostos de 1,77 bi de euros (US$ 1,62 bi) no quarto trimestre de 2000, superando ligeiramente as previsões dos analistas, que giravam em torno de 1,7 bi de euros. O resultado foi 39,3% superior ao ganho pré-imposto de 1,27 bi de euros registrado pela empresa no último trimestre de 1999. O lucro líquido cresceu para 1,204 bi de euros (US$ 1,1 bi), ou 0,26 euro por ação, entre outubro e dezembro de 2000, de 853 mi de euros, ou 0,19 por ação, em igual intervalo de 1999. O lucro operacional da Nokia teve expansão de 32%, para 1,73 bi de euros, enquanto suas vendas aumentaram 46%, para 9,28 bi de euros, no quarto trimestre. O lucro operacional da empresa fechou o ano em 5,78 bi de euros, com um crescimento de 47% sobre 1999, enquanto o lucro líquido foi de 3,94 bi de euros, 52,7% superior ao ano anterior. O desempenho das vendas também superou o prognóstico dos analistas, que estimavam vendas de 8,7 bi de euros no quarto trimestre. A despeito dos números positivos, a empresa fez previsões cautelosas, afirmando que suas vendas devem crescer entre 25% e 30% no primeiro trimestre e que o ganho por ação nesse período deve ficar no mesmo nível de 2000. Para o ano, a empresa informou que deve vender entre 500 milhões e 550 milhões de telefones, revisando a estimativa de que colocaria no mercado pelo menos 550 milhões de aparelhos. "Essa previsão reflete o crescimento mais fraco do que o esperado do mercado durante o primeiro trimestre", destacou o comunicado da Nokia. No ano completo de 2000, as vendas da empresa totalizaram 30,38 bi de euros (US$ 28,12 bi), o que correspondeu a um crescimento de 53,6% em relação a 1999. A Nokia detém um terço do mercado global de telefones celulares, mantendo a liderança em relação à Motorola e a Ericsson. As ações da Nokia caíam 9%, na Bolsa de Londres há instantes.As informações são da agência Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.