Nokia vai demitir 1 mil no mundo todo; Vodafone dispensa 500

Telefônicas têm tido resultado melhor que outros setores na crise, mas ainda enfrentam crescimento baixo

Luciana Xavier, da Agência Estado,

24 de fevereiro de 2009 | 13h59

A finlandesa Nokia Corp., a maior fabricante de telefone celular do mundo, anunciou nesta terça-feira programa de demissão voluntária para se adaptar às fracas condições do mercado. As medidas incluem pacote de demissão voluntária, que estará disponível para empregados da companhia no mundo todo a partir de 1º de março para englobar 1.000 funcionários, e deve encerrar em 31 de maio. O programa também inclui maior uso de férias não remuneradas e licenças para ano sabático. Os termos dos planos estão sujeitos às leis e práticas locais. Veja também: As medidas do empregoDe olho nos sintomas da crise econômica Dicionário da crise Lições de 29Como o mundo reage à crise  As medidas fazem parte do plano previamente anunciado pela Nokia de ajustar os seus custos à demanda do mercado e se salvaguardar a competitividade. No início da tarde, as ações da Nokia caíam 2,6% em Londres.  Outra empresa de telefonia celular, o grupo Vodafone, informou que irá cortar 500 vagas de trabalho no Reino Unido, como parte de seu programa de corte de gastos anunciado em novembro. A empresa já havia anunciado 150 demissões na Irlanda e irá cortar vagas em todos os países em que atua. Por outro lado, a Vodafone disse que pretende abrir 50 novas lojas em 2009 e irá abrir um novo call center em Stoke-on-Trent em meados deste ano. O grupo emprega 10 mil pessoas no Reino Unido e 70 mil pessoas ao redor do mundo.  As companhias telefônicas têm tido desempenho melhor que outros setores no meio da crise global, mas ainda enfrentam crescimento baixo ou zero nos mercados desenvolvidos. A Telefonica, no entanto, disse que não está planejando cortes de empregos no Reino Unido. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
NokiaVodafone

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.