carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Nome para Cade divide Dilma e Tarso

Torpedeada por grandes empresas, como Nestlé e Vale, a indicação de Arthur Badin, procurador-geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), para presidir a entidade transformou-se em mais um ''round'' da briga entre os ministros petistas da Justiça, Tarso Genro, e da Casa Civil, Dilma Rousseff, e pode acabar "engavetada" pelo Senado. Convidado para relatar o caso na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), o senador Gerson Camata (PMDB-ES) deixou claro que não pretende acatar a indicação de Tarso. Mas admite "esquecer" o parecer em uma gaveta, a pedido de senadores de partidos de oposição e da base aliada, entre os quais o PT, com o apoio até de governadores preocupados com o caixa estadual. Procurado, Badin não quis se manifestar.Tarso pediu ajuda a governadores para quebrar o clima "muito ruim" para seu afilhado no Senado, mas, por enquanto, não conseguiu cabalar votos em favor de Badin. No caso do Espírito Santo, do relator Camata, uma das preocupações é com a Nestlé. Como procurador-geral do Cade, Badin ameaçou reabrir o caso da fusão da empresa com a Garoto. Advogados e representantes de outras grandes companhias, como AmBev, Cutrale e Votorantim, também já procuraram senadores reclamando de ?perseguições? do procurador-geral. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

AE, Agencia Estado

15 de agosto de 2008 | 08h20

Tudo o que sabemos sobre:
defesa da concorrênciaCade

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.