Nordeste ultrapassa RS na exportação de calçados

Os Estados da região Nordeste estão ganhando cada vez mais participação nas exportações de calçados. O último dado divulgado pela Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados) revela que em janeiro, pela primeira vez, o Ceará liderou o embarque mensal estadual de sapatos no Brasil, com 9,334 milhões de pares, enquanto o Rio Grande do Sul exportou 6,121 milhões de pares.O resultado, porém, não surpreende os representantes da categoria. "O Nordeste vai adquirir uma participação cada vez maior no cenário calçadista brasileiro", afirma o diretor-executivo da Abicalçados, Heitor Klein. As fábricas gaúchas, que respondiam por 70,7% do volume exportado em 2001, encerraram o ano passado com uma fatia de 39,4%, de um total de 177,05 milhões de pares embarcados.Enquanto isso, os Estados do Ceará, da Paraíba, da Bahia, de Pernambuco e de Sergipe que, conjuntamente, participavam com 16,5% do montante destinado ao exterior há cinco anos, viram sua representatividade saltar para 48,9% em 2006, e para 63,2% em janeiro deste ano. Klein justifica essa mudança à primeira etapa de um processo de deslocamento das principais unidades produtivas do setor para o Nordeste. "Essa migração, por enquanto, está focada somente em novos investimentos. Lentamente, em três ou quatro anos, deve haver a migração do grosso da produção para o Nordeste", afirma. O pólo calçadista gaúcho ainda concentra a produção de sapato com maior valor agregado, o que acaba se refletindo no preço médio do sapato exportado, que em janeiro ficou em US$ 3,72, no Ceará, e em US$ 17,10, no Rio Grande do Sul. No ano passado, as fábricas gaúchas responderam por 63,5% do total de US$ 1,911 bilhão de receita obtida com as vendas ao exterior, participação que retraiu-se para 60,3% em janeiro.DeslocamentoO presidente da Abicalçados, Milton Cardoso, também aposta no deslocamento dos pólos para o Nordeste. "Os fornecedores planejam ficar mais próximos das fábricas. É um movimento, incentivado, que estamos percebendo", diz. O próprio dirigente, que é presidente-executivo da fabricante de calçados e artigos esportivos Vulcabras, transferiu suas unidades de produção voltadas à exportação para os estados da Bahia e do Ceará.O superintendente do Centro Internacional de Negócios da Federação das Indústrias do Estado do Ceará, Eduardo Bezerra, relata o forte interesse de empresas - produtoras de matérias-primas destinadas ao setor calçadista - em investirem no Estado. "Se a clientela está no Ceará, por que produzir no Rio Grande do Sul e transportar para o Nordeste?", teria dito um empresário fabricante de cola em recente reunião com Bezerra.Outra empresa fundada no Rio Grande do Sul e que transferiu suas unidades para o Nordeste foi a Grendene, que em janeiro liderou as exportações cearenses por empresas, com US$ 20,682 milhões. Atualmente a empresa mantém sete de suas 13 unidades fabris em Sobral, além de outras duas em Fortaleza e uma em Crato.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.