Pixabay / ccipeggy
Pixabay / ccipeggy

Normalização em supermercado pode levar de 5 a 10 dias mesmo se houver fim da greve

Associação de supermercados informou em nota que ainda não estimou as perdas e prejuízos com a paralisação de caminhoneiros.

Renata Okumura, O Estado de S.Paulo

25 Maio 2018 | 13h26
Atualizado 25 Maio 2018 | 18h21

SÃO PAULO - A normalização do abastecimento dos supermercados ainda poderia levar de 5 a 10 dias mesmo no caso de haver o desbloqueio de estradas, segundo a Associação Brasileira de Supermercados (Abras). A entidade informou em nota que ainda não estimou as perdas e prejuízos com a paralisação de caminhoneiros.

+ AO VIVO: Acompanhe o quinto dia de greve em tempo real

"A expectativa da entidade é de que a situação melhore nas próximas horas, para que possamos normalizar o abastecimento da população", disse a Abras em nota.

+ Com paralisação, Bolsa caminha para pior semana desde caso JBS

Segundo a Abras, a maioria dos supermercados trabalha com estoque médio de produtos não perecíveis. A falta no abastecimento dos supermercados está mais concentrada nos perecíveis. 

Apesar do acordo proposto pelo Governo Federal para o fim da greve dos caminhoneiros, a Associação Paulista de Supermercados (Apas) ainda observa incertezas quanto à adesão de todas as categorias e não acredita na retomada da normalidade dos serviços ainda nesta sexta-feira, 25.

+++ Greve gera desabastecimento em supermercados e rede limita itens por compra

Segundo a entidade, os problemas decorrentes da greve vão muito além da situação de falta de produtos nos supermercados, que têm feito a sua parte com alternativas para minimizar os transtornos aos consumidores. "Como o uso de veículos pequenos para retirar produtos em centros de distribuição e remanejamento de estoque entre lojas das redes", destacou a nota.

+++ Covas decreta estado de emergência na cidade de SP

O setor acrescenta que se solidariza com a população que enfrenta falta de combustível, o que afeta a ida ao  trabalho, escola e hospitais. Além de serviços essenciais de segurança e do Corpo de Bombeiros que também foram afetados.

+++ Greve de caminhoneiros deixa a cidade de São Paulo em clima de feriado nesta tarde de 6ª feira

"A Apas compreende os esforços das autoridades em propor o acordo da última quinta-feira. Também compreende o direito de manifestação do setor de transporte de cargas ao não aceitar o acordo em sua totalidade. Porém, o setor supermercadista entende que é chegado o momento em que bom senso e decisões mais eficazes precisam ser tomadas tanto pelo Governo quanto pela categoria para que o País possa, de vez, imergir em uma situação de normalidade", reforçou o posicionamento.

Falta de itens nos supermercados

Os produtos perecíveis como frutas, legumes e verduras e itens, que dependem de abastecimento diário, como carnes, leite e derivados, panificação congelada e produtos industrializados que levam proteínas no processo de fabricação, são os que estão mais em falta nas gôndolas. "Todas essas mercadorias formam os grupos de produtos que representam 36% do faturamento dos supermercados", acrescentou a nota. 

Com produtos perecíveis começando a faltar em virtude da corrida de consumidores aos supermercados, e temendo o desabastecimento, em Salvador, algumas das principais redes supermercadistas estão limitando a aquisição de produtos. Na rede Walmart é possível a compra de até cinco unidades por produto. Já a rede GBarbosa informou que está limitando a compra a até 10 unidades por cliente. Segundo as empresas, a medida visa assegurar o atendimento a todos que procurarem os supermercados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.