Norte Energia diz que prejuízos citados para Aneel foram feitos de 'forma ilustrativa'

Em carta enviada em novembro à Aneel, consórcio dono de Belo Monte menciona que teria de desembolsar R$ 370 milhões por mês para cobrir o rombo financeiro pelo atraso nas obras

André Borges, O Estado de S. Paulo

29 Dezembro 2014 | 20h01

Brasília – O consórcio Norte Energia, dono da hidrelétrica de Belo Monte, informou que os prejuízos potenciais que poderá ter por conta do atraso nas obras da usina foram mencionados à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) de “forma ilustrativa”.

Reportagem publicada nesta segunda-feira pelo Estado revela o conteúdo de uma carta enviada em novembro à Aneel, na qual a Norte Energia menciona que teria de desembolsar R$ 370 milhões por mês para cobrir o rombo financeiro pelo atraso nas obras, caso seu pedido de excludente de responsabilidade pelo atraso seja negado pela agência.

O valor, conforme mencionado pela reportagem, diz respeito ao valor presente da dívida. No documento, a Norte Energia menciona ainda que se tratam de "somas vultosas, capazes de inviabilizar o empreendimento".

Segundo a Norte Energia, o valor do prejuízo mencionado se baseava “num contexto de preços de energia do mercado livre muito superiores ao novo teto de R$ 388,48”.

Na carta de 27 páginas encaminhada à Aneel, a Norte Energia responsabiliza o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), a Fundação Nacional do Índio (Funai) e a própria Aneel por boa parte dos atrasos que comprometem seus canteiros de obras.

O material obtido pela reportagem faz parte de um conjunto de cartas trocadas entre a Aneel e o consórcio, desde outubro de 2010. O conteúdo integral da carta pode ser conferido aqui.




 

Mais conteúdo sobre:
Belo MonteAneel

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.