Nos EUA, ação cobra US$ 10 bi da GM por desvalorização de carros

Empresa convocou 40 recalls no ano para sanar falhas passadas, o que afetou a credibilidade da marca e o preço de carros

REUTERS, O Estado de S.Paulo

19 de junho de 2014 | 02h05

Uma nova ação judicial pede que a General Motors pague indenizações a milhões de donos de carros e caminhões por perda de valor de mercado de seus veículos, potencialmente superior a US$ 10 bilhões. O argumento é que vários recalls e um atraso em recolher carros com ignição defeituosa mancharam a credibilidade da marca, afetando o preço dos veículos e prejudicando seus proprietários.

Segundo uma queixa apresentada ontem no Tribunal Federal de Riverside, na Califórnia, a GM prejudicou clientes, escondendo defeitos conhecidos e priorizando corte de custo em detrimento da segurança. O reconhecimento tardio das falhas levou a empresa a fazer cerca de 40 recalls envolvendo mais de 20 milhões de veículos só neste ano.

A ação judicial contra a GM afirma que isso tem feito vários veículos mais antigos perderem cerca de US$ 500 a US$ 2,6 mil em valor de revenda.

Hagens Berman Sobol Shapiro, que entrou com a ação, disse que o caso pode superar US$ 10 bilhões, e é o primeiro que tenta forçar a GM a pagar a mais de 15 milhões de proprietários de carros e caminhões -e não apenas aqueles cujos veículos foram recolhidos - por danos à marca e à reputação.

Um porta-voz da GM, Greg Martin, não quis comentar a ação judicial. Ele disse que muitos clientes e analistas reconheceram a força da marca GM e que isso resultou em aumento de vendas, preços de transação e valores residuais.

Reação. A onda de recalls ocorre após a GM admitir que levou 11 anos para reconhecer um defeito na chave de ignição de vários modelos, todos fora de linha, o que resultou em pelo menos 47 acidentes, que provocaram 13 mortes.

Além dos danos à imagem da empresa, a operação se mostrou custosa e já trouxe baixas no balanço da companhia no primeiro trimestre. A empresa já gastou US$ 1,3 bilhão no primeiro trimestre nas convocações de veículos com defeitos e gastará mais US$ 700 milhões entre abril e junho. Ou seja, a convocação dos recalls custará US$ 2 bilhões à montadora apenas no primeiro semestre deste ano.

O atraso em reconhecer falhas nos seus veículos fez a GM ser multada pelo Departamento de Transportes dos Estados Unidos em US$ 35 milhões. A atual presidente da montadora, Mary Barra, teve de prestar esclarecimentos sobre a demora no Congresso americano.

A empresa fez uma auditoria interna para encontrar responsáveis pela falha e demitiu 15 executivos por negligência.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.