Friedemann Vogel/EFE
Friedemann Vogel/EFE

Nos EUA, consumidor está mostrando cautela

Black Friday, que é um dos principais períodos de vendas do varejo americano, movimentará 164 milhões de pessoas

Ricardo Leopoldo, correspondente, O Estado de S.Paulo

23 de novembro de 2018 | 04h00

NOVA YORK - O ambiente de baixas temperaturas já chegou em Nova York, mas nem o frio intenso reduziu o movimento nas ruas da cidade às vésperas da Black Friday. Ofertas em grandes lojas têm sido conferidas pelos consumidores, num dos principais períodos de vendas para o setor varejista no ano.

De acordo com a Federação Nacional de Varejo (NRF, na sigla em inglês) dos Estados Unidos, o período de cinco dias deve movimentar 164 milhões de consumidores no país. No entanto, os americanos não estavam muito otimistas de que encontrariam boas oportunidades e nenhum dos entrevistados pela reportagem manifestou o desejo de comprar presentes de Natal para garantir preços menores.

Mark Ritch, que atua no setor imobiliário foi à H&M na Rua 86, perto da Avenida Lexington, porque precisava de calças especiais para o frio, já que a temperatura está ao redor de 5 graus Celsius. “Esse período de promoções não mexe muito comigo. Meu foco maior está nas compras de fim de ano.”

Duas amigas da Filadélfia, Carol e Susy, foram à Bloomingdale’s para olhar vitrines e passear. As duas estão em Nova York para ver o desfile do Dia de Ação de Graças da Macy’s. “Eu posso até comprar alguma coisa que esteja em bom preço na Black Friday, não fiz planos”, destacou Carol. Para ela, não é tão perceptível o aquecimento do nível de atividade econômica nos EUA, embora o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) projete que o PIB do país avance 3,1% em 2018, acima dos 2,2% registrados no ano passado.

Cruzando o Atlântico. Na França, a jornada de grandes descontos importada dos EUA desde 2013 se converteu em um fenômeno. A Black Friday no país não dura apenas um dia, mas uma semana inteira em todos os setores da economia. Tudo entra na promoção: de carros a perucas. Desde segunda-feira, mensagens anunciando promoções especiais começaram a enviadas por e-mail a milhares de clientes. Diferentemente dos americanos, os consumidores franceses veem a Black Friday como uma oportunidade de antecipar as compras de Natal com preços atraentes. / COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.