Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Nos EUA, exportadores brasileiros vivem bom momento

Apesar da desconfiança de alguns, empresários aproveitam a desvalorização do dólar para vender mais para o Brasil

Carmen Gentile, O Estadao de S.Paulo

29 de setembro de 2007 | 00h00

Os exportadores brasileiros de bens de capital nos Estados Unidos têm vivido um bom momento com o avanço das vendas para o Brasil. Com a valorização do real em relação ao dólar, dizem, os empresários no Brasil aproveitam para ''''reabastecer os estoques'''', pensando no crescimento futuro dos negócios.Paulo Rocha, fundador e presidente da HRM International Inc., trading baseada em Miami há 35 anos, disse que a demanda brasileira por bens industriais americanos como turbinas, compressores, centrífugas e componentes eletrônicos aumentou muito nos últimos anos. ''''Acho que existe uma correlação direta entre a taxa de câmbio e o volume das exportações'''', disse Rocha ao Estado.A trading de Rocha trabalha para grandes empresas brasileiras, entre elas o Grupo Gerdau e a Globosat. ''''Compramos tudo que eles quiserem. Não faz diferença.''''Nos últimos anos, as exportações americanas para o Brasil tenderam a ser altamente fragmentadas, segundo relatório do Brazil-U.S. Business Council com sede em Washington. Ficaram concentradas em alguns bens de capital de alto valor e dezenas de partes e componentes especializados.Nenhuma categoria isolada de exportações americanas para o Brasil rende mais de U$ 100 milhões por ano, embora algumas categorias de importações brasileiras excedam a marca de U$ 2 bilhões.Nem sempre foi assim. Ainda em 2002, depois da eleição de Luiz Inácio Lula da Silva, o mercado para a exportação de bens americanos para o Brasil estava estagnado, com o real brasileiro cotado em 4 por 1 dólar americano. ''''As exportações de minha companhia sofreram um bocado'''', observou Rocha.Mas alguns ainda têm dúvidas sobre as vantagens, a longo prazo, de entrar no mercado brasileiro.Marcelo Gomez, dono e fundador da Brazilianshop.com, e outras empresas de varejo brasileiras instaladas na Costa Oeste americana não querem negociar com o Brasil. Gomez diz que é freqüentemente solicitado a exportar itens especiais de luxo como pistolas de paintball e brinquedos sofisticados, mas se recusa por causa de experiências passadas ruins, quando confiou na força da moeda brasileira ante o dólar.''''Eu acredito que o dólar vai se valorizar depois das eleições presidenciais (americanas de 2008)'''', disse Gomez. ''''Além disso, cresci achando que o governo brasileiro é corrupto'''', acrescentou, dizendo que não ficaria surpreso se o real fosse reajustado para favorecer as exportações brasileiras.''''Não confio que isso (o real valorizado)vai ficar assim para sempre. Posso estar errado, mas assumirei esse risco.''''

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.