Wilton Júnior|Estadão
Wilton Júnior|Estadão

'Nós fizemos uma grande burrada ao reduzir impostos para empresas', diz Dilma

A presidente cassada disse que acreditava na diminuição dos tributos como uma forma de aumentar os investimentos

Jamil Chade, O Estado de S.Paulo

13 de março de 2017 | 08h50

GENEBRA - A presidente cassada Dilma Rousseff declarou nesta segunda-feira que fez "uma grande burrada" ao reduzir impostos para empresas durante seu mandato.

"Qual foi a burrada? A redução da contribuição previdenciária e outros impostos. Isso nos fragilizou em termos fiscais", disse Dilma, em uma reunião fechada com um grupo de estudantes brasileiros em Genebra. "E o que eles fizeram com a redução? Aumentaram a margem de lucro e embolsaram o dinheiro", disse. "Eu não vejo um debate sério sobre tributação. Como é que você quer que o estado faça a distribuição de renda?", questionou durante o encontro do qual o Estado participou.  

Um dia antes, ela já havia indicado que cometeu um "grande erro" ao promover a desoneração fiscal no País. Em Genebra para participar de debates e seminários, a brasileira foi questionada se era capaz de assumir erros e se estava arrependida de alguma decisão que tomou enquanto foi presidente do Brasil. "Eu acreditava que, se eu diminuísse impostos, eu teria um aumento de investimentos", disse. "Eu diminuí. Eu me arrependo disso. No lugar de investir, eles aumentaram a margem de lucro", afirmou. 

Nesta segunda-feira, ela voltou a atacar o setor privado. "A cultura no Brasil é a de "absurdo pagar imposto". Mas como faz programa social sem impostos?", perguntou. 

Dilma, porém, acha que a recessão era "desnecessária". "O Brasil tem hoje uma crise fiscal. Mas só isso. Não tem problema de pagamentos de dividas externas, tem US$ 380 bilhões de reservas.  Não temos problemas com bancos. Não temos créditos podres. Essa crise forte levou à queda de arrecadação", disse.

A presidente cassada acredita que não conseguiu aumentar a arrecadação por conta da recusa do Congresso em aprovar leis que impunham impostos sobre ganho de capital e transações financeiras. "Eu não tinha capacidade parlamentar de governar. O Congresso não aprovava nada. Agora, não conseguem reverter a crise que eles criaram", disse.

Dilma ainda acredita que foi o modelo econômico que levou a seu impeachment. "Tivemos a gravação entre o senador Romero Juca e Sérgio Machado, indicando que precisavam me tirar para estancar a sangria da Lava Jato. Mesmo se essa era uma das razões, não acredito que era a principal", disse. 

"Pode até ser uma razão de curto prazo. Mas o que contou foi o enquadramento econômico, social e geopolítico do Brasil. O motivo é que, quando chegamos ao governo, interrompemos um processo de instaurar um regime neoliberal, de redução de impostos e privatização no Brasil", disse, insistindo que se recusou a vender o Banco do Brasil, Caixa e BNDES.

Para ela, sua saída do poder "não resolve" os "sérios problemas no Brasil, como no sistema político". "Temos um Congresso cada vez mais conservador. Temos um problema de representatividade, além da corrupção", disse

Dilma ainda completou ironizando os comentários do presidente Michel Temer de que a mulher saberia das oscilações na economia por conta de seu conhecimento dos preços do supermercado. "O papel da mulher não é de ir apenas ao supermercado", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.