Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Nos pátios, estoque para dois meses

Montadoras prevêem fechar ano com vendas de 2,81 milhões de carros, 245 mil a menos que a projeção anterior

Cleide Silva, O Estadao de S.Paulo

05 de dezembro de 2008 | 00h00

Com um encalhe equivalente a quase dois meses de vendas, a indústria automobilística reviu para baixo suas projeções de vendas e deve encerrar o ano com um mercado total de 2,81 milhões de veículos, 245 mil a menos que o previsto anteriormente. Produção e exportações também ficarão abaixo da meta, o que já se refletiu no nível de emprego. As montadoras demitiram 480 funcionários em novembro, após 22 meses seguidos de contratações.Montadoras e revendas encerraram novembro com 305,6 mil veículos em estoque, o suficiente para 56 dias de vendas. A última vez que atingiram marca semelhante foi em setembro de 2001, com 57 dias. Em outubro, o estoque era para 38 dias de vendas. O normal para as empresas é até 25 dias. As quatro maiores montadoras (Fiat, Ford, GM e VW) realizam feirões neste fim de semana para tentar desovar o estoque, que equivale a R$ 12 bilhões imobilizados nos pátios, segundo cálculo das empresas.Em novembro, as vendas foram 25,7% inferiores às de outubro e 25% menores que as de um ano atrás. A produção ficou abaixo de 200 mil veículos pela primeira vez em dois anos. Saíram das fábricas 194,9 mil unidades, queda de 34,4% em relação a outubro e de 28,6% na comparação com igual mês de 2007. "A freada foi muito forte", lamentou o presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Jackson Schneider.Diante da falta de liquidez no mercado, juros altos e clima de desconfiança por parte do consumidor, a produção para este ano também foi revista para 3,24 milhões de veículos, 185 mil a menos que o projetado. Ainda assim, será o melhor ano da história para o setor. A Anfavea esperava um aumento de 24,2% nas vendas (para 3,06 milhões de veículos) e de 15% na produção (para 3,42 milhões de unidades). Na nova conta, os porcentuais ficarão em 14,3% e 8,8%, respectivamente.As exportações devem somar 720 mil veículos, 8,7% a menos que em 2007, ante uma projeção anterior de queda de 1%. Em valores, porém, devem crescer 1,5%, fechando em US$ 13,7 bilhões. Antes, o setor apostava em aumento de 7,4%.Para 2009, Schneider admitiu que, "se o mercado ficar do tamanho deste ano, já estará bom". Até o mês passado, ele falava em crescimento de pelo menos um dígito. Antes da crise, a projeção era de crescer de 5% a 10%. "O mundo dos últimos seis anos, do qual o Brasil tanto se beneficiou, não volta mais", disse o economista Raul Velloso. Nesse período, a indústria automobilística brasileira cresceu em média 10% ao ano.Schneider afirmou que a indústria fará "o máximo para não ter de demitir", mas ressaltou que "quem faz o posto de trabalho, em última instância, é o consumidor". No dia 1º, a Volvo, fabricante de caminhões, anunciou 430 demissões no Paraná. Todas as montadoras estão dando férias coletivas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.