Nostalgia é trunfo para escola de caligrafia

Espaço cobra R$ 200

RENATO JAKITAS, O Estado de S.Paulo

25 de julho de 2012 | 03h08

pela mensalidade e

conta com cerca de mil alunos ativos mesmo

em plena era digital

Do lado de fora, a Escola de Caligrafia De Franco parece um espaço enigmático. O local chama a atenção de quem passa pela Avenida Rebouças, em São Paulo, por abrigar um negócio - em plena era digital - onde tudo remete ao universo da educação de três, quatro décadas atrás.

A nostalgia, aliás, é o trunfo de Antônio De Franco, que administra um dos últimos espaços dedicados ao ensino da caligrafia no Brasil. Vestido durante a semana com um simbólico guarda-pó branco, o empreendedor avalia que tradição é "o espírito da coisa" e até franze a testa quando levado a encarar o espaço como negócio.

"Isso aqui é uma escola de 97 anos. E chegamos até aqui porque fazemos exatamente a mesma coisa desde sempre", afirma o homem, que é o terceiro em tudo na família: o terceiro Antônio (ele tem o mesmo nome do pai e do avô), o terceiro advogado (como os antepassados, todos formados pela Faculdade São Francisco) e a terceira geração no comando da empresa.

"Meu avô compilou os conhecimentos da família, patenteou o método e assim estamos até hoje, com o meu filho, o quarto Antônio, que também é advogado, assumindo a escola e ensinando da mesma maneira."

Atrás de uma mesa sem computador e abarrotada de pastas de papelão, que guardam o histórico dos mil alunos ativos da instituição, ele tenta explicar o segredo da empresa, que se mantém cobrando mensalidades de R$ 200 por aulas presenciais e por correspondência, que representam 60% do movimento. "A gente faz isso aqui com amor e muito respeito. A escola é minha vida", afirma.

Basicamente, a estratégia de Antônio De Franco é pegar nas mãos do estudante e o fazer recomeçar do zero o processo mecânico de produção de letras: do 'a-b-c-d' ao pingo no 'i'.

"Cerca de 90% dos nossos alunos querem apenas melhorar a estética da escrita. Os demais serão calígrafos profissionais. Mas tanto faz o objetivo. Começamos sempre com lições de hastes e elipses. Depois, formamos as vogais, as consoantes, frases, maiúsculas, minúsculas e números", ensina o professor. "E qualquer pessoa consegue ter letra bonita em dois meses", garante.

Planejamento

Questionado sobre o futuro virtual iminente e a consequente queda no interesse das pessoas pela caligrafia elaborada, por exemplo, nos convites de casamento, Franco dá de ombros. Para ele, o computador é aliado, não rival. "As pessoas se esqueceram como se escreve com o (uso do) computador. Na hora que precisam, como em um concurso público, lembram de nós, que estamos no mesmo lugar", afirma.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.