Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão
Imagem Pedro Fernando Nery
Colunista
Pedro Fernando Nery
Doutor em Economia
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Nota de comandantes das Forças Armadas lembra 'teoria econômica de falar bobagem'

Teoria diz que bobagens são ditas para sinalizar a terceiros de seu grupo o seu comprometimento com uma causa comum

Pedro Fernando Nery*, O Estado de S.Paulo

13 de julho de 2021 | 04h00

Após a troca do início do ano, os comandantes das três Forças Armadas voltaram aos holofotes na semana passada, com iniciativas que geraram indignação em boa parte da opinião pública pelo tom bananeiro: primeiro uma nota conjunta, depois uma entrevista de um deles, seguida de um tuíte de apoio de outro. Passada uma revolta inicial, tentei ver nas manifestações algo além do velhaquismo. Lembrei da “teoria econômica de falar bobagem”.

A teoria, que tem no título original, na verdade, um palavrão substituindo o eufemismo “bobagem”, é do economista Leonardo Monasterio. A motivação que ele coloca é a seguinte: “Por que alguns caras falam tanta bobagem? A explicação usual é burrice e/ou mau-caratismo”. Para Monasterio, há outra explicação: as falas seriam um esforço de “sinalização”. 

A bobagem seria dita para sinalizar a terceiros de seu grupo o seu comprometimento com uma causa comum: “Quanto maior a besteira, maior o sacrifício de reputação. Isso é um sinal claro para os seus de que ele queimou as pontes do bom senso e é um bom soldado”. 

Na teoria microeconômica, o tema de sinalização foi desenvolvido com o trabalho do Prêmio Nobel Michael Spence. O sinal dado a outros tende a ser mais crível se for caro, isto é, representar uma perda para aquele que sinaliza. A perda não precisa ser financeira, pode ser, por exemplo, de reputação – como o caso aqui. Nesse sentido, comandantes militares falariam bobagem, mesmo sabendo que vão se queimar diante de setores da sociedade, como mostra de sua seriedade para um grupo (que naturalmente inclui o presidente). 

Poderíamos ir além. Vou pedir ao leitor para aceitar uma hipótese que parece difícil agora: imagine que os comandantes são simultaneamente inteligentes e comprometidos com a democracia. Como um comandante com essas características deve agir no contexto atual? O que você faria?

Podemos ver esse desafio pela lente da teoria dos jogos, aquele campo meio mítico da academia associado a outro Nobel, o matemático John Nash, que inspirou o filme Uma Mente Brilhante. O jogo em questão lembra um xadrez, quando consideramos que as ações de um jogador (por exemplo, um comandante) vão despertar reações de outro jogador (por exemplo, o presidente), razão pela qual o jogador deve considerar esses efeitos sucessivos na sua tomada de decisão inicial.

Uma forma de resolver o jogo é começar da rodada final, contemplando primeiro o resultado desejado e, depois, as ações que levariam até ele (simplificadamente, é a solução conhecida como “backward induction”, ou indução retroativa). Imagine que o resultado almejado é a manutenção da estabilidade no País. Uma condição para isso seria ter comandantes das Forças Armadas que não topam rupturas. Assim, se você é um desses, deve evitar as ações do jogo que levariam à nomeação de um comandante mais golpista que você.

Se entre o seu conjunto de informações estão as de que o presidente é narcisista e impulsivo e age deslealmente com ex-aliados – e sabendo que você próprio já é o substituto de um comandante que desagradou ao presidente –, você jogaria para não ser substituído. Afinal, o presidente pode fazer sucessivas substituições até que o comandante seja o “tiozão” mais bolsonarista do churrasco. 

Entre as ações que o manteriam no cargo, estariam as sinalizações – por exemplo, notinhas e entrevistas que provocam críticas duras da imprensa (caso evidentemente em que se ganham pontos adicionais com o chefe). Voltamos, então, à teoria econômica de falar bobagem. Elas integrariam uma estratégia dos que não querem ser o próximo Santos Cruz, o general bonzinho que terminou ex-amigo de Jair. Vale frisar: a premissa aqui é de comandantes inteligentes, comprometidos com a democracia e que agem racional e estrategicamente.

Pode não ser assim: e a análise do colunista seria um caso de “xadrez 5D”, como são ridicularizados na internet os comentários que enxergam estratégias sofisticadas onde não há nenhuma. Não nego a hipótese alternativa, mas elas implicariam reconhecer um grande déficit de capital humano nas Forças Armadas, se os seus comandantes – em tese, os melhores das tropas – são apenas o clichê que aparentam ser: um trio de ressentidos e despreparados. 

*DOUTOR EM ECONOMIA 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.