Reuters
Reuters

Nota de crédito do Brasil pode mudar com reformas, diz Moody's

Para vice-presidente da agência, após reforma da Previdência, País terá ‘posição mais favorável para rating e perspectiva’

Ricardo Leopoldo, correspondente, O Estado de S.Paulo

22 de fevereiro de 2017 | 21h27

NOVA YORK - O Brasil tem um cenário melhor do que há um ano, quando a Moody’s rebaixou o rating soberano e a perspectiva, mas precisa aprovar reformas para melhorar sua nota, comentou Samar Maziad, vice-presidente e analista sênior para o Brasil da Moody’s, em entrevista exclusiva ao Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado.

Maziad esteve recentemente em Brasília, onde conversou com autoridades para avaliação periódica sobre o País. Em 24 de fevereiro de 2016, a nota do País foi reduzida de Baa3 para Ba2, e a perspectiva saiu de estável para negativa.

O analista teceu elogios à equipe econômica, que considerou “coesa e comprometida para que as reformas fiscais avancem”. Ele também defendeu a aprovação da reforma na Previdência. “Após a aprovação da reforma pelo Congresso, o Brasil terá uma posição mais favorável para rating e perspectiva”, comentou. Ele também afirmou que prevê, em sua projeção, que a reforma passará no Congresso ainda neste ano. “Se a reforma da Previdência não for aprovada, será uma surpresa negativa”, disse.

Além disso, Maziad reconheceu que, se suas projeções para o calendário de mudanças estruturais se confirmarem, “é possível que em seis meses haverá uma nova avaliação de perspectiva do Brasil pela Moody’s”. Segundo explicou, quando a agência altera a perspectiva de um país, leva-se normalmente de 12 a 18 meses para realizar outra ponderação.

Lava-Jato. Durante a entrevista, ele pontuou que uma melhora de rating do País está muito relacionada a um cenário mais favorável para a área fiscal num horizonte de cinco anos à frente. Mas ele também apontou que o surgimento de fatores negativos no curto prazo não podem ser descartados, como as “incertezas com desdobramentos da Operação Lava Jato”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.