Notícias positivas influenciam mercado

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) abriu o dia em alta, favorecida pelo bom desempenho da Nasdaq - bolsa que negocia papéis do setor de tecnologia e Internet nos Estados Unidos - e pela divulgação do resultado do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro. O número revelou um crescimento de 3,92% no segundo trimestre desse ano, em relação ao mesmo período de 1999. Porém, com as oscilações dos papéis da Petrobras, a Bolsa reverteu a tendência de alta e opera em queda de 1,35%As ações ordinárias (ON, com direito a voto) da Petrobras estão em alta de 0,33% e as preferenciais (PN, sem direito a voto, queda de 1,77%. O prazo para ofertas de pessoas jurídicas terminou agora ao meio-dia. A expectativa, segundo alguns operadores, é que o preço do leilão fique em torno de R$ 42,00, bem abaixo, portanto, do preço da ON neste início de tarde - R$ 46,00.Outro fator que prejudica o desempenho da Bolsa é a expectativa para o julgamento da correção do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). O governo corre o risco de arcar com uma grande dívida para corrigir os saldos do FGTS, que tiveram perdas com planos econômicos anteriores. Há quem considere que,se o custo para o governo ficar dentro do esperado, o mercado acabará assimilando a notícia, mas,num primeiro momento, deve prevalecer o efeito negativo. Dólar abaixo de R$ 1,80O fluxo cambial está muito próximo ao equilíbrio, ou seja, o volume de entrada de dólares é quase equivalente ao valor de saída. Com isso, a variação da moeda norte-americana ficou restrita a um espaço entre R$ 1,7940 e R$ 1,7980. No início da tarde, estava cotada a R$ 1,7980 na ponta de venda dos negócios. Apesar da preocupação em relação ao julgamento da correção do FGTS e a pressão nos índices de inflação, o dólar continua abaixo do patamar de R$ 1,80. A operação de troca de bradies - papéis da dívida brasileira - por bônus globais de 40 anos encerra-se hoje. O resultado deve ser muito positivo e deve ficar em pelo menos US$ 2 bilhões. Esperava-se US$ 1 bilhão. Também há estimativas para a taxa que apontam a remuneração total do investidor entre 13,5% e 13,75% ao ano.Investidores esperam Selic menor em dezembroOs juros futuros continuam a cair. O prêmio - como se chama a diferença entre a taxa projetada e o atual nível da taxa básica de juros (Selic) - vem caindo de forma significativa. Para se ter uma idéia, os contratos até dezembro projetam taxa de até 16,5% ao ano, ou seja, não embutem prêmio. Isso significa que os investidores esperam uma Selic abaixo desse patamar em dezembro. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - pagavam juros de 17,310% ao ano, no início da tarde.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.