Dario Oliveira|Estadão
Dario Oliveira|Estadão

Notre Dame desiste de IPO e volta a buscar novo sócio

A intenção da Notre Dame Intermédica era fazer uma captação de R$ 1 bilhão com a estreia na Bolsa paulista

Monica Scaramuzzo e Fernando Scheller, O Estado de S.Paulo

25 Julho 2017 | 23h22

Apesar de o ano de 2017 ter se revelado agressivo para ofertas iniciais de ações (IPOs, na sigla em inglês), a operadora de plano de saúde Notre Dame Intermédica, controlada pelo fundo Bain Capital, informou nesta terça-feira, 25, que desistiu de abrir seu capital na Bolsa brasileira, a B3.

Com isso, segundo fontes de mercado, a companhia volta a buscar sócios privados, como vinha fazendo desde o início o ano passado. A intenção da Notre Dame Intermédica era fazer uma captação de R$ 1 bilhão com a estreia na Bolsa paulista.

Um dos fundos de private equity (que fazem investimentos em empresas) que já chegaram a avaliar o ativo foi o europeu CVC Capital Partners, com sede em Luxemburgo. A Notre Dame Intermédica chegou a ser avaliada em R$ 10 bilhões, o que teria afugentado potenciais investidores. Agora, o CVC e outros fundos estariam dispostos a voltar a circular o ativo.

Disputa. A Notre Dame Intermédica também atraiu a atenção de compradores estratégicos nos últimos meses, incluindo a empresa de plano de saúde Amil, que hoje é controlada pela americana United Health.

Desde março de 2014, o fundo Bain Capital – também dos Estados Unidos – tem uma participação majoritária na Notre Dame Intermédica. Na época, o fundo investiu R$ 2 bilhões na companhia.

Tanto a venda a um fundo de private equity quanto um eventual IPO – ideia agora suspensa – seriam uma forma de o Bain realizar seu lucro dentro da operação, de acordo com fontes.

Procurada pelo Estado, a Notre Dame Intermédica não quis comentar a estratégia de venda da companhia. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.