Nova cervejaria quer elevar lucro e listar ações em Bolsa

O executivo-chefe da Interbrew SA, John Brock, disse que o principal foco da InBev, a nova companhia criada pela operação de 10 bilhões de euros (US$ 12 bilhões) via troca de ação para assumir a AmBev, será elevar sua margem de lucro de 25% para 30%. A principal concorrente, Anheuser-Busch, tem margem de lucro de 28%. "Gostaríamos de superá-la", disse Brock, reiterando declarações anteriores. "Acreditamos que poderemos atingir a meta de 30% nos próximos anos"."Estamos criando a maior cervejaria do mundo", disse o executivo-chefe. "Número um em volume, com três das 20 marcas mais vendidas no mundo", acrescentou. InBev, ele acrescentou, será uma marca comercial. "Nós queremos que os consumidores nos conheçam pelas nossas marcas", disse. A InBev terá um mercado global de cerca de 14%, receitas de 9,5 bilhões de euros e lucros pré-impostos de 2,4 bilhões de euros, segundo a Interbrew.A empresa reunirá as marcas conhecidas da Interbrew, como Stella Artois e Becks, com brasileiras como Skol e Brahma. Brock disse também que gostaria de listar a InBev na Bolsa de Nova York "dentro de poucos anos". As informações são da agência Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.