Nova classe média é fruto de melhora das condições macro do País, diz Awazu

BC manifesta que cerca de 40 milhões de pessoas ingressaram nesse segmento da população nos últimos dez anos

31 Outubro 2012 | 12h57

PORTO ALEGRE - O diretor de regulação do sistema financeiro do Banco Central, Luiz Awazu Pereira da Silva, afirmou que "a emergência de uma nova classe média" no Brasil é fruto de "transformações profundas, de melhora das condições macroeconômicas do País", registradas nos últimos anos. O BC manifesta que cerca de 40 milhões de pessoas ingressaram nesse segmento da população nos últimos dez anos.

Segundo o diretor do BC, tais melhoras do padrão de vida da população nacional provocam "uma mudança positiva nas estruturas sociais do País", com acesso a novos padrões de consumo."Há emergência de uma nova classe média que ocorre junto com a redução da pobreza no Brasil, o que está ligado ao processo de inclusão financeira", destacou.

Para Awazu, a evolução das condições econômicas e sociais do País, com avanço do padrão de renda nos últimos anos, requer uma avaliação mais profunda sobre a demanda por serviços financeiros no Brasil. "É preciso verificar como isso modifica o comportamento das famílias e o que implica em mudanças para os supervisores do sistema financeiro nacional",apontou.

"Contudo, o País é privilegiado na riqueza de informações para investigar de dados estatísticos agregados, inclusive de ordem microeconômica", disse. Ele fez os comentários ao abrir um painel do último dia do IV Forum Banco Central sobre Inclusão Financeira, que ocorre desde segunda-feira em Porto Alegre.

Mais conteúdo sobre:
classe médiarendabanco central

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.