Nova Cofins pode suspender investimentos, diz empresário

O governo federal escolheu "um péssimo momento" para aumentar a Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) de 3% para 7,6% porque levou uma série de empresas de serviços a reavaliarem e até suspenderem os investimentos no Brasil no próximo ano. Segundo o presidente da Câmara Americana de Comércio de São Paulo (Amcham-SP), Sérgio Haberfeld, ele ouviu manifestações de indignação de estrangeiros. "Essa medida destrói todo o planejamento de investimento para 2004 no setor de serviços feito pelas multinacionais. Mudou toda a perspectiva de rentabilidade do negócio", disse.Segundo ele, como o setor de serviços não pode usar créditos de Cofins porque não possui etapas preliminares no processo produtivo, as empresas perderão parte das receitas com o aumento do imposto. "Para um banco que tem muito lucro, tudo bem alterar a Cofins, mas o grande problema está nas empresas de menor giro, como escritórios de advocacia ou administradores de cartão de crédito", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.