Nova composição evitou queda maior do Ibovespa

Nova composição evitou queda maior do Ibovespa

Metodologia aplicada a partir de maio reduziu o peso de ações daEletrobrás e da Petrobrás no índice; ontem, Bolsa recuou 2,77%

ALINE BRONZATI , FERNANDA GUIMARÃES, O Estado de S.Paulo

28 de outubro de 2014 | 02h04

A nova metodologia do Ibovespa, implantada a partir de maio, impediu que o índice tivesse perdas ainda maiores no primeiro pregão após o fim das eleições presidenciais. Isso porque na composição anterior ações de empresas como Eletrobrás e Petrobrás tinham peso maior que na atual.

Como os papéis de estatais, que formam o que o mercado batizou de "kit eleições", tiveram as perdas mais acentuadas do Ibovespa ontem, o fato de terem uma exposição menor no indicador evitou que o índice baixasse mais. "Como se tratava de um índice de negociabilidade, que era muito influenciado pela liquidez, em função dos eventos que ocorreram nesse ano, o peso de muitos ativos que oscilaram fortemente teria aumentado, impactando de forma mais significativa no índice", diz Elíseo Viciana, vice-presidente da espanhola Mapfre Investimentos.

As ações preferenciais da Petrobrás têm hoje participação de 7,203% ante 8,119% na carteira teórica válida entre janeiro e abril deste ano. Já a participação das ações ordinárias subiu de 3,96% para 4,654%. No caso dos papéis preferenciais da Eletrobrás, o peso passou de 0,4% para 0,22%. Os ordinários de 0,297% para 0,149%.

Para se ter ideia do peso que esses papéis exerciam sobre o índice, em janeiro de 2003 Petrobrás PN respondia por 18,38% do Ibovespa e Petrobrás ON detinha 7,8%. No caso da Eletrobrás, as fatias eram de 1,38% e 2%, respectivamente.

Nas novas regras do Ibovespa, a forma de ponderação dos ativos mudou e passou a ser pelo valor de mercado dos papéis da empresa em circulação. Além disso, foi inserido um limite de participação por empresa de até 20%, impedindo que uma única companhia, a exemplo da Petrobrás no passado, tivesse peso tão relevante.

Após abrir em queda, o Ibovespa renovou a mínima atingindo desvalorização de 6,2%, aos 48.722,29 pontos. No entanto, ao longo do dia, o índice foi recuperando parte das perdas e fechou com desvalorização de 2,77%, aos 50.503.66 pontos. A ação de maior peso no indicador atualmente é a preferencial do Itaú Unibanco com participação de 9,725%. É a primeira vez na história da bolsa brasileira que um banco assume tal posto.

Segundo Bruno Gonçalves, da Alpes Corretora, a nova metodologia teve efeito positivo no mercado, principalmente ao retirar do índice ações em situação especial como, por exemplo, grupos em recuperação judicial e dar peso a empresas mais sólidas como as do setor financeiro e de alimentos e bebidas, como Ambev e BRF.

Parada. Gonçalves descartou um possível "circuit breaker"(interrupção dos negócios em momentos de grandes oscilações) caso o Ibovespa estivesse na metodologia antiga no pregão de ontem.

A última vez em que ele foi acionado foi em 22 de outubro de 2008, no meio da crise internacional. Na ocasião o Ibovespa caiu 10,18% e fechou em 35.069 pontos. "Não foi registrada uma magnitude de queda tão expressiva para que o circuit breaker ocorresse", avaliou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.