Nova doutrina de Obama relaciona economia e diplomacia

Estratégia também pede a expansão de parcerias além dos aliados tradicionais, o que inclui China e Índia 

Reuters,

27 de maio de 2010 | 07h29

O governo de Barack Obama anunciou nesta quinta-feira uma nova doutrina de segurança nacional que determina a necessidade de somar engajamento diplomático e disciplina econômica com poder militar para impulsionar o lugar dos Estados Unidos no mundo.

A estratégia de Obama pede a expansão de parcerias além dos aliados tradicionais do país, para incluir novas potências como China e Índia para compartilhar as questões mundiais, de acordo com o documento obtido pela Reuters.

Em meio a uma economia ainda frágil e déficits recordes, o governo também reconheceu que os Estados Unidos precisam lidar como prioridade nacional de segurança as tarefas de impulsionar o crescimento e colocar a situação fiscal em ordem.

"No centro de nossos esforços está o compromisso de renovar nossa economia", diz um trecho do documento.

O documento, requerido por lei de todos os presidentes, costuma reafirmar as posições atuais do país, mas é importante porque pode influenciar orçamentos e leis. (Matt Spetalnick)

Tudo o que sabemos sobre:
euadoutrinaeconomiadiplomaciaobama

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.